16 poemas sueltos de Clemente Padin

/ 91 leituras
Por iniciativa do autor foi divulgado através do Facebook o livro 16 poemas sueltos em formato PDF.

Porto visto por Janys Oliveira

/ 127 leituras
JANYS Oliveira nasceu em Iguatu, estado do Ceará, Brasil. Entretanto foi viver para Fortaleza, capital do mesmo estado. Dedica-se à arte postal e contemporânea, o que vem na sequência da con...

The autobiography of Piroska Horvath

/ 260 leituras
I WAS born in Romania in a beautiful village, which is famous for its cherry. After my university studies, I taught biology, chemistry and psychology in Bistrita. Together with my husband we...

Porto visto por Alexandre Andrade

/ 1824 leituras
ALEXANDRE Andrade é natural da freguesia de São Sebastião da Pedreira, em Lisboa. Até agora viveu 90% da vida naquela cidade. Esta é como um velho amigo com o qual convive regularmente e que...

O Messias de bolso

/ 784 leituras
A ESTRANHA ascensão de Jair Messias Bolsonaro ao primeiro plano da política brasileira deixa-nos uma dúvida: quais são as condições de partida que o tornaram favorito nesta corrida presidenc...

Porto visto por David Pérez Pol

/ 243 leituras
DAVID Pérez Pol ha publicado los poemarios Amapolas en las roderas y cigüeñas en los campanarios, El fuego y el olvido, Programa de mano y El libro de las Tentativas, así como el libro de af...

III CONVOCATÓRIA de Arte Postal

/ 829 leituras
CONVOCAM-SE todos os interessados a participar na III edição de Arte Postal do Correio do Porto (Portugal) e Seona, Espaço Criativo (Brasil), que consiste em criar dois postais com as seguin...

Verseto I

/ 658 leituras
Difere tanto assim o tempo que faz do tempo que corre? * Sont-ils si différents, le temps qu'il fait et le temps qui passe ? Texto de João Pedro Mésseder, tradução de MLP, JPM, JO, revi...

Porto visto e desenhado por Eduardo Salavisa

/ 216 leituras
EDUARDO Salavisa nasceu em Lisboa onde vive e trabalha. É professor no ensino secundário e apaixonado por diários gráficos. Publicou recentemente o Caderno do Porto, que diz ser uma cidade m...

Sumimasen!

/ 414 leituras
MINHA esposa é japonesa. E, quando faço essa afirmação, refiro-me ao fato de que ela, nascida e criada no Japão, pertence a uma família sem laços culturais com o Ocidente; pois, há gerações,...

Porto visto por Agnija Anča

/ 190 leituras
AGNIJA Anča nasceu em Cesis, Letónia. Neste país ainda viveu em Riga, depois passou por Nova Iorque, Estados Unidos da América, até chegar a Puebla, México. É tradutora e artista visual. O m...

Porto visto por João Paulo Hergesel

/ 230 leituras
JOÃO Paulo Hergesel vive atualmenmte em Alumínio, depois de ter nascido em Sorocaba, ambas cidades do estado de São Paulo, Brasil. Acredita que a sua poesia, de certa forma, enfatiza os pequ...

Porto visto por Fátima Vianna

/ 187 leituras
FÁTIMA Vianna nasceu em Belo Horizonte, Brasil. As montanhas que cercam a cidade, na sua opinião, instalam a nostalgia, mas instigam a caminhar, o que se repercute na sua produção literária....

Porto visto por José Airton Mellega

/ 169 leituras
JOSÉ Airton Mellega, para além da cidade natal de Piracicaba, já viveu em Santa Barbara D'Oeste, Mococa e Itatiba, todas no Brasil. Escreve haicais, senryu e trovas, sendo um pouco influenci...

Tabuleta Digital

Sete Perguntas

Vai no Batalha

Marco Martins (1978)

Considerando o pedido de vários colegas presidentes de Câmara, incluindo do próprio presidente da AMP, deixo a decisão de demissão para o coletivo na próxima reunião do Conselho Metropolitano, desde que me sejam dadas condições e carta-branca para trabalhar.

Rua da Estrada da Vacaria

SE PERGUNTAREM o que é paisagem, pode-se responder que é o que resulta da paisagificação de uma determinada actividade ou actividades. Esta é uma paisagem bovina. Pela berma da estrada vai um alinhamento de pedras de dois feitios: umas de muros que havia a bordejar os campos para que os animais racionais e irracionais não fossem para lá calcar, comer ou roubar coisas e pastar em casa alheia; outras, ao alto, seriam postes para segurar as latadas de vinha quando se fazia vinho no tempo em que cada um produzia um pouco de tudo para seu sustento. Entre umas e outras há postes de electricidade e t...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 621 leituras
As ruas da amargura são sempre a descer?