Porto visto por Ticiane Martins

/ 89 leituras
TICIANE Martins é artista plástica e vive em Belo Horizonte, Brasil. Diz que quando observa os seus trabalhos, nota que a paisagem da cidade está muito presente nas formas, nas cores, na exp...

Buenos Aires y Borges

/ 181 leituras
Texto e fotografias de Raquel Gociol

Ragazze di Napoli in scooter

/ 231 leituras
Fotos de Vittorio Bianco com legendas de Isabel Furini e Roberto Keppler

“Desarmadilha” de Sidneia Simões é poesia para partilhar

/ 122 leituras
UM livro para folhear e desfolhar, com páginas para que o leitor também se expresse.  A proposta é compartilhar espaço, poemas, afetos, esclarece a autora de “Desarmadilha”, Sidneia Simões. ...

Pé-Sujo e Blocos de Carnaval

/ 741 leituras
CREIO que os botecos estão sendo pasteurizados aos montes. A cada dia que passa, noto mais um bar transformado em fast food-drink ou farmácia. Entretanto, no Rio de Janeiro, ainda existem pé...

Yayo – Résidence Exil et liberté (2019)

/ 90 leituras
Yayo (Diego Herrera), auteur-illustrateur colombo-québécois, nous parle de son passage à la Maison de la littérature dans le cadre de la résidence Exil et liberté, du 3 janvier au 1er mars 2...

16 poemas sueltos de Clemente Padin

/ 150 leituras
Por iniciativa do autor foi divulgado através do Facebook o livro 16 poemas sueltos em formato PDF.

Porto visto por Janys Oliveira

/ 182 leituras
JANYS Oliveira nasceu em Iguatu, estado do Ceará, Brasil. Entretanto foi viver para Fortaleza, capital do mesmo estado. Dedica-se à arte postal e contemporânea, o que vem na sequência da con...

The autobiography of Piroska Horvath

/ 360 leituras
I WAS born in Romania in a beautiful village, which is famous for its cherry. After my university studies, I taught biology, chemistry and psychology in Bistrita. Together with my husband we...

Porto visto por Alexandre Andrade

/ 1950 leituras
ALEXANDRE Andrade é natural da freguesia de São Sebastião da Pedreira, em Lisboa. Até agora viveu 90% da vida naquela cidade. Esta é como um velho amigo com o qual convive regularmente e que...

O Messias de bolso

/ 893 leituras
A ESTRANHA ascensão de Jair Messias Bolsonaro ao primeiro plano da política brasileira deixa-nos uma dúvida: quais são as condições de partida que o tornaram favorito nesta corrida presidenc...

Porto visto por David Pérez Pol

/ 308 leituras
DAVID Pérez Pol ha publicado los poemarios Amapolas en las roderas y cigüeñas en los campanarios, El fuego y el olvido, Programa de mano y El libro de las Tentativas, así como el libro de af...

III CONVOCATÓRIA de Arte Postal

/ 1030 leituras
CONVOCAM-SE todos os interessados a participar na III edição de Arte Postal do Correio do Porto (Portugal) e Seona, Espaço Criativo (Brasil), que consiste em criar dois postais com as seguin...

Verseto I

/ 725 leituras
Difere tanto assim o tempo que faz do tempo que corre? * Sont-ils si différents, le temps qu'il fait et le temps qui passe ? Texto de João Pedro Mésseder, tradução de MLP, JPM, JO, revi...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

SÃO declarações indignas de uma pessoa que ocupa o lugar que ele ocupa. Vamos defender o nome do município em tribunal. A única forma de desmentir este tipo de coisas é com papéis. O presidente do ACP não tem estatuto para difamar (…). Mas mais do que a questão da difamação, quero repor a verdade.

Rua da Estrada das terras viciosas

NOS idos de 1723, Bernard Mandeville escrevia a sua Fábula das Abelhas, ou de como os vícios privados se podiam transformar em públicas virtudes, chegando a questionar como é que uma nação poderia ser próspera e gloriosa se apenas fosse bondosa e atinada. No Século das Luzes, luminárias tão diversas como David Hume, Jeremy Bentham ou Adam Smith, embrulharam-se nestes meandros sobre o luxo, a moral, os bons e os maus costumes, ou a riqueza das nações. Completando o ramalhete, o Marques de Sade trataria do assunto da forma mais radical, com e sem a dança do varão aqui pintada, cerveja ou martini...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 408 leituras
A laranjeira dá as laranjas, a bananeira dá as bananas, a figueira dá as figas?