Manuel António Pina (1943-2012)

/ 1900 leituras
Alguém o chamara por outro nome, / um absoluto nome, / de muito longe

Miguel Gomes (1975)

/ 1289 leituras
Aqui jaz um povo, / na memória do que parte algures / nasce o esquecimento / por entre urzes,

Jorge Gomes Miranda (1965)

/ 1893 leituras
Por vezes, só me dava dores de cabeça, / consumições, / a ponto de ter de ferrar-lhe um bofetão.

Luís Mazás López (1968)

/ 166 leituras
Sou o legatário duma centena de loucos / que me deixaram na pele o soro da poesia / e com ela encho o meu bornal

Anabela Borges (1970)

/ 1248 leituras
Tece-se o tempo em meadas de branco e chumbo, / braçadas de nostalgia. / tempestade em vista.

Florbela Espanca (1894-1930)

/ 37 leituras
Ser a moça mais linda do povoado, / Pisar, sempre contente, o mesmo trilho, / Ver descer sobre o ninho aconchegado / A bênção do Senhor em cada filho.

Carlos Tê (1955)

/ 3182 leituras
Tenho à janela / uma velha cornucópia / cheia de alfazema / e orquídeas da Etiópia

Luísa Dacosta (1927-2015)

/ 1368 leituras
Como a árvore sabe a floração / e o pássaro o rumo, certeiro, do voo / a minha sede de ti / sei

José Régio (1901-1969)

/ 2066 leituras
Mais uma vez, cá vimos / Festejar o teu novo nascimento, / Nós, que, parece, nos desiludimos / Do teu advento!

Luís Veiga Leitão (1912-1987)

/ 2340 leituras
Natal é renascer / Homem ou pedra que se esconde / Renascer e nascer mudando / O tempo e o lugar onde 

Domingos da Mota (1946)

/ 2305 leituras
Dissesse do Natal o muito que / se olha sem se ver, aquando e onde / o outro é transparente, como se / fosse um corpo invisível que se esconde,

Óscar Possacos (1962)

/ 2145 leituras
Vivo nas divisões de uma floresta / no 2º esquerdo, // feita de clareiras e de soalhos secos.

Arnaldo Mesquita (1930-2011)

/ 1324 leituras
Aquele lhe / ensinavam / os seus pais: / - É o medo / que guarda / a seara / e guarda / a vinha.

Fernando Lanhas (1923-2012)

/ 1604 leituras
Seguimos / à beira de saber; / a cumprir / aquilo que não sabemos 

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

NO início do próximo ano vamos avançar para projetos. A Câmara está empenhada e entusiasmada. O Monte da Virgem é extraordinário pela memória que encerra, é um pulmão verde e de grande interesse paisagístico.

Rua da Estrada do Invernadero

Por isso esta Rua da Estrada é tão exótica nas suas alternâncias de plástico, apartamentos turísticos, parques aquáticos, chiringuitos e rotundas com gerânios e buganvílias.

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 535 leituras
Sexo dos anjos é tema quente?