“Vesi ja jää” por Anja Mattila-Tolvanen

/ 865 leituras
Vesi ja jää, sama, mutta kuitenkin eri. Vesi, pehmeä ja läm...

“Telegrama do Príncipe para a Branca de Neve” por Alice Vieira

/ 997 leituras
Não esqueças conselhos. Não abras a porta. Não fales a est...

Primavera!!

/ 1231 leituras
Primavera!! El ciruelo se viste de blanco blancas son...

O primeiro beijo por Regina Ruth Rincon Caires

/ 903 leituras
De lábios roxos, a boca cerrada, fria, sepulta a tristeza da...

A costureira por Regina Ruth Rincon Caires

/ 565 leituras
Era costureira sem máquina. Cerzia as feridas, aparava as fa...

O pedido de Natal por Regina Ruth Rincon Caires

/ 561 leituras
No correio, a menina aguardava. Na vez, deu a carta ao atend...

Saudade por Regina Ruth Rincon Caires

/ 488 leituras
Com passos trôpegos, caminha pela areia. Fora levada a conhe...

Problemas

/ 635 leituras
problemas jóvenes PUEBLO humanos Por Jesús Morales, qu...

Exposição – Histórias em Postais na Escola Básica de Baltar

/ 1090 leituras
De 29 de maio a 16 de junho de 2017, na Escola Básica de Bal...

Exposição – Histórias em Postais no Duas de Letra

/ 1291 leituras
De 3 a 29 de abril de 2017, de segunda a quinta das 10h às 2...

Exposição – Histórias em Postais na AJHLP

/ 1157 leituras
Decorreu entre 8 a 31 de março de 2017, de 2.ªs a 6.ªs, das ...

Histórias em postais… vindas do Atlântico

/ 2343 leituras
TOMEI conhecimento do concurso «Histórias em Postais» pelo «...

Lista dos autores da I edição Histórias em Postais

/ 1321 leituras
NO dia 2 de outubro de 2016, publicamos a convocatória da I ...

Nubes

/ 977 leituras
Desde la ventana de mi oficina veo nubes. Nubes, que p...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O seu (José Vieira de Carvalho) maior orgulho era a Maia. A Maia que ele sonhou, que ele conquistou, e que irrompeu das suas fronteiras em direcção ao cume dos Municípios. Viveu pela Maia e pela Maia morreu. 

Rua da Estrada de Arbo

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 750 leituras
Chegaremos aos quatrocentos?