Ao desafio com Emerenciano

/ 530 leituras
EMERENCIANO não se considera simplesmente um artista plástico, menos um pintor de arte. Diz que carrega a possibilidade das palavras, o que o levou, em 1998, a uma atrevida candidatura ao ma...

Ao desafio com Carlos Bonaparte

/ 401 leituras
CARLOS Bonaparte é cego de nascença. O desafio que lhe propusemos foi o de verbalizar sentimentos decorrentes da sua condição de cego. As respostas são sinceras, esclarecidas e, às vezes, in...

Ao desafio com Clemente Padin

/ 824 leituras
CLEMENTE Padin nasceu em Lascano, Rocha e aos quatro anos de idade mudou-se para Montevideo (cidades do Uruguai), onde continua a viver. É docente e ARTISTA (com maiúsculas) nas áreas da poe...

Ao desafio com Fernando Aguiar

/ 1339 leituras
O MAIS internacional dos poetas visuais portugueses da atualidade, Fernando Aguiar, aceitou o nosso desafio em contrapor ou reiterar afirmações e versos seus entretanto publicados. Das respo...

Ao desafio com Óscar Possacos

/ 1522 leituras
ÓSCAR Possacos publicou três livros de poesia: Lugar quebrado (1982), Prémio Nacional de Literatura Juvenil Ferreira de Castro (1983); Húmida viagem (1984) e Cantaria (julho de 2014). Da últ...

Ao desafio com Paulo Stocker

/ 790 leituras
PAULO Stocker, ou melhor, Clovis Paulo Stocker além de artista plástico, cartunista, muralista (diferente de moralista) e ilustrador é também cidadão, catarinense, paulista, pai, marido, cic...

Ao desafio com Domingos Loureiro

/ 807 leituras
A PROPÓSITO da exposição “Em Direção ao Azul”, que revela parte da investigação que Domingos Loureiro está a desenvolver no âmbito do Doutoramento, desafiamos o autor a verbalizar a técnica ...

Ao desafio com Álvaro Domingues

/ 1277 leituras
TODOS conhecem e frequentam a Rua da Estrada. Todos, de um modo ou de outro, contribuíram ou contribuem para a materialização e consolidação da Rua da Estrada. Ela sempre fez parte da nossa ...

Ao desafio com Anabela Borges

/ 1040 leituras
PARA Anabela Borges deve ter sido um desafio estimulante (supomos nós) descrever, em verso e a rimar, a vida de alguns animais, incluindo a das gatas Xica e Xana. Ir além das onomatopeias nã...

Ao desafio com João Manuel Ribeiro

/ 934 leituras
OS poemas de João Manuel Ribeiro que compõem o livro “Amo-te” andaram na sacola e no coração de muitos alunos, que os leram, releram e teceram observações e comentários de vária índole com o...

Ao desafio com João Pedro Mésseder

/ 936 leituras
DEPOIS de lermos o “Pequeno Livro das Coisas” (Editorial Caminho) ficamos com tanta curiosidade sobre as coisas que quisemos fazer várias perguntas a João Pedro Mésseder. Enviámos-lhe dez qu...

Ao desafio com Inês Lourenço

/ 950 leituras
PERCORREMOS a obra publicada de Inês Lourenço de trás para frente e da frente para trás, desde Coisas que nunca, Logros Consentidos, passando por Câmara Escura e pela Disfunção Lírica, à pro...

Ao desafio com Antero de Alda

/ 873 leituras
ANTERO de Alda nasceu em 1961. Publicou memória de hibakusha (1986) e O Século C.N.A. (1999). É um dos principais autores de poesia visual portuguesa, com E.M. de Melo e Castro, Ana Hatherly...

Ao desafio com Rui Manuel Amaral

/ 1110 leituras
CANSADOS de esperar pela publicação de novos contos de Rui Manuel Amaral (diz que não escreve microcontos!), fomos desafiá-lo a falar sobre algumas histórias já dadas à estampa (Caravana e D...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Moreira (1956)

É UMA solução que vinha sendo exigida pelas necessidades atuais e pelo facto de as duas cidades conviverem quase como uma. Temos um centro histórico, não temos dois. Não precisamos de pedir nada ao senhor ministro das Infraestruturas e também não precisamos do Ministério da Cultura.

Rua da Estrada Multicolor

NÃO falta por aí a expressão floresta verde. Nos sistemas complexos – nos outros também – a redundância faz sempre falta no caso de falhar alguma coisa no algoritmo, como agora se diz. As florestas são verdes por caprichos que a clorofila teima em manter. A floresta negra deve ser uma floresta muito escura. Muitos chamaram a Heidegger o filósofo da floresta negra; o homem era muito virado para a angústia, para o nada, para a inquietação do ser e outras místicas do género. Não sabemos se via duendes ou lobos-maus, mas não se interessava nada pela indústria madeireira; tal como a floresta, parec...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 90 leituras
Quem mete água por todos os lados, por onde afoga?