Ao desafio com Mário de Oliveira

/ 2199 leituras
Não seria ser humano, se não fosse homem de paz.

Ao desafio com Teo: o cão de raça imaculada

/ 915 leituras
Não escolhi ser pastor; foi o rebanho que me escolheu a mim.

Ao desafio com Inês Lourenço

/ 1404 leituras
A Poesia é desde tempos longínquos aquela expressão literária que mais questiona os diversos poderes.

Ao desafio com Francisco Duarte Mangas

/ 1384 leituras
O tempo é um rio irrevogável, temos de preparar a barca.

Ao desafio com Carlos Costa

/ 322 leituras
As afeições densificam.

Ao encontro de Fernando Echevarría

/ 680 leituras
Entrevista: Paulo Moreira Lopes | José Manuel Teixeira da Silva Fotografia: João Paulo Coutinho

Ao encontro de Fernando Guimarães

/ 788 leituras
Entrevista: Paulo Moreira Lopes | José Manuel Teixeira da Silva Fotografia: João Paulo Coutinho

Ao desafio com Luís Filipe Cunha

/ 1058 leituras
Nunca me deixei levar por sentimentos muito extremos como a revolta, mas também estou longe de encarar a minha cegueira com resignação ou passividade.

A. Dasilva O. à chegada de Guadalajara

/ 825 leituras
António da Silva Oliveira, (também conhecido por A. Dasilva O.) apanhado em flagrante no aeroporto do Porto vindo da Feria Internacional del Libro de Guadalajara

Canções do Ar e das Coisas Altas por João Pedro Mésseder

/ 473 leituras
As raízes da terra da imaginação estão sempre no solo.

Ao desafio com Emerenciano

/ 1152 leituras
Quem não cresce para dentro não cresce para fora, isto é, não pensa dentro para ser fora em função de dentro e dentro em função de fora.

Ao desafio com Carlos Bonaparte

/ 788 leituras
Como tudo nesta vida, não há só o lado bom, nem só o lado mau. Ser cego também. E a grande vantagem é poder viver com os outros 4 sentidos.

Ao desafio com Clemente Padin

/ 1277 leituras
A utopia é um caminho cujo fim é o próprio caminho

Ao desafio com Fernando Aguiar

/ 1969 leituras
Toda a arte é um inutensílio, excepto a que dá dinheiro.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Manuel Pizarro (1964)

TEMOS uma posição na fachada atlântica altamente privilegiada para nos podermos afirmar como dos grandes players europeus do sector das pescas. Mas não basta. Temos de trabalhar em medidas e instrumentos que tornem esta atividade mais atrativa.

Maxilar deslocado

Desde que os humanos investem nas suas cabanas e abrigos pouco primitivos, têm vindo a aumentar e a diversificar-se o número de próteses domésticas que tornam os espaços habitáveis, confortáveis e usáveis para os mais diversos e inesperados fins.

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 579 leituras
Antes de haver telemóvel, como é que as pessoas incomunicavam?