Prisão de sonhos

/ 147 leituras
FIZ seis anos no dia seis de Outubro e logo na manhã seguinte contra a minha vontade, meteram-me na escola. Levava sobre as costas a tiracolo, uma saca de serapilheira com um livro de leitur...

Beija-me, beija-me muito!

/ 903 leituras
ATRAVESSEI o rio Douro no barco valboeiro do Zé Chasco. Aquele pedaço de madeira artisticamente trabalhada pelas mãos do Ti Arnaldo, artífices da construção destes navios, flutuavam com a do...

Vindimas

/ 657 leituras
LÁ em cima, da Ladroeira, vêem-se arranjadas as vertentes que descem em cascata até à ponte romana da Bateira. Alinhas perpendicularmente, as vinhas alongam-se por toda a encosta como se fos...

O navio dos mortos

/ 369 leituras
UM pedaço de luar aparece por entre a negrura das nuvens carregadas de chuva que cruzam o céu subindo dos lados do mar por cima da praia da Madalena e reflecte-se moribundo na água barrenta ...

Cidade surpreendente

/ 361 leituras
A NOITE desceu sobre o rio tão repentinamente que surpreendido pela beleza do céu, nem sequer me apercebei. A luz do sol esgueirou-se no cume de uma montanha que delimitava o cenário que tin...

Gaivota

/ 547 leituras
A AUTOESTRADA quase deserta, uma máquina com voz impessoal de mulher a pedir moedas no fim de cada lanço que o meu carro devorava. Esta voz persegue-me por todo o país; insira o cartão. Efec...

Sangue Cigano

/ 402 leituras
A CARAVANA serpenteou pela poeirenta estrada nas fraldas da serra da Boneca. As carroças, puxadas por cavalos eram sete carregadas com os mais diversos utensílios que podem existir numa habi...

Barco velho

/ 424 leituras
HAVIA um velho barco a boiar nas águas do rio escondido num recanto ao fundo das arribas de Várzea do Douro que se estendem florestadas e pedregosas até ao cais de Bitetos. Quase destruído, ...

A louca da praia

/ 459 leituras
A TABERNA tinha uma espécie de esplanada no passeio com apenas uma mesa de chapa e duas cadeiras de plástico branco e, no lado direito, pousado no chão, um pequeno fogareiro pronto a grelhar...

Um amor assim

/ 442 leituras
OUTUBRO de um ano que já passou confundido no calendário com a  data do meu aniversário. Já nem me lembro de quantos anos fazia nesse dia, provavelmente muitos, eu sou uma oferta dos tempos,...

Stabat Mater

/ 445 leituras
ONÍRICA, angustiante e crepuscular atmosfera. Rabiscos alucinados no azul do céu que cobre o rio e a minha aldeia. Às vezes parecem estranhos e desarticulados manequins de modista, esfíng...

Zahra

/ 610 leituras
AQUELA mulher moira que te enfeitiçou uma vez, ainda tem de ti uma lembrança que causa sofrimento. Não pretendo fazer-te lembrar coisas que decerto te magoam, momentos em que como um simples...

O Doutor de Arouca

/ 695 leituras
HOJE VAMOS FALAR DO DOUTOR DE AROUCA. Talvez por que já passaram por ti muitos milhares de figuras bizarras não te seja possível localizá-lo na memória. Era um exemplo de criatividade, um ho...

António

/ 647 leituras
LEMBRAS-TE DO ANTÓNIO filho da padeira? Era um rapazito quando embarcou para o Brasil procurando melhor forma de vida. Aqui, neste imenso vale onde condicionas vidas, nessa altura, era quase...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

Ich weiss nicht, was sie sagen" ("Não sei do que falam").

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 611 leituras
O telemóvel é um meio de incomunicação?