A BULA de Junho

/ 86 leituras
NO mês de junho, com o aumento da temperatura o apelo do mar intensifica-se. Para superar os momentos de nostalgia de um canto de praia sem ninguém e do mar imenso, solitário, antigo, que pa...

A BULA de Maio

/ 164 leituras
PARA este mês de maio selecionamos sete comprimidos literários do poeta Josafá de Orós, natural do estado de Paraíba, no Brasil. Traz-nos provérbios, natureza morta, inverno, hai kai e muita...

Marca de água (Joseph Brodsky)

/ 113 leituras
- ¿Su profesión? - Soy poeta. Supongo. - Nada de supongos aquí. Ponte derecho. No te apoyes en la pared. Mira al tribunal. ¿Tienes una profesión estable? - Creía que eso era una profesión...

A BULA de Abril

/ 252 leituras
FAZ hoje cinco anos que iniciamos a publicação de A BULA. Foi uma revolução no mundo dos cuidados literários. De modo simples, despretensioso e gratuito fizemos chegar comprimidos literários...

Da prosa e da poesia por Marcus Accioly

/ 108 leituras
A prosa e a poesia se diferem pelo mistério: a casa era sem portas e janelas (...) isto é prosa a casa era de vidros e silêncios (...) isto é poesia pela música: era uma vez um eco qu...

A BULA de Março

/ 315 leituras
NESTE mês de março quisemos homenagear a escritora Luísa Dacosta, falecida há três anos em Matosinhos. Da obra A Maresia e o Sargaço dos Dias (2012), selecionamos sete comprimidos para refor...

A BULA de Fevereiro

/ 242 leituras
NESTE mês festeja-se o Carnaval. Uma época de folia e pândega. Celebra-se também a união amorosa entre casais e namorados. Serão muitos a questionarem-se como Papiniano Carlos: porque não ve...

Remédios Literários

/ 226 leituras
ESPECIALMENTE as que vêm das emoções. Descobriram-no Ella Berthoud e Susan Elderkin com esta forma de terapia que começaram por experimentar em si próprias. Chamaram-lhe biblioterapia, ciênc...

A BULA de janeiro

/ 391 leituras
O TEMPO tudo arrasa infracções de segundo. Ainda agora estávamos em 2017 e já aí temos 2018. Estas mudanças repentinas têm sempre efeitos sobre a nossa saúde, podendo, inclusive, provocar al...

Provérbios contra o Halzheimar

/ 147 leituras
A PRIMEIRA edição (Colóquio Interdisciplinar sobre Provérbios), que teve lugar em 2007, contou com uma homenagem a Teófilo Braga, autor de muitos estudos jurídicos na área da sabedoria popul...

Poesia por Lawrence Ferlinghetti

/ 174 leituras
A poesia, tal como o amor, é um analgésico natural. O rótulo no frasco diz: "Restaura o assombro e a inocência." Publicado in A poesia como arte insurgente, Relógio d'Água - janeiro de 20...

Ela é Tarja Preta – Arnaldo Antunes

/ 325 leituras
Quando ela chega de bandeja muito sem noção abala o baile, em cada cara o queixo cai no chão quando ela surge de lambuja dentro do salão nem o doutor percebe tanta contra-indicação vai s...

A BULA de Dezembro

/ 246 leituras
NESTE fim de ano, o poeta galego Antonio García Teijeiro prescreve-nos sete comprimidos literários, cujo princípio ativo é o mar. O mar de Vigo. São poemas mollados que deixan as ondas na ar...

A Literatura Como Remédio

/ 211 leituras
PARA o historiador Dante Gallian a prevenção para os males do corpo e o padecimento da alma está na leitura dos grandes clássicos. Ele pesquisa o poder disso há quase duas décadas e garante ...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

NÃO vamos licenciar novas construções. Vamos legalizar casas e empresas com histórico. São empresas consolidadas no território e também é uma forma de evitar que, por falta de uma licença, possam decidir abandonar Gaia e estabelecer-se em concelhos vizinhos, retirando de cá postos de trabalho.

Rua da Estrada do Futuro

ADIVINHAR o futuro ainda é para muitos uma espécie de bruxedo do antigamente. Consultava-se o mediador comunicante com o insondável para que ele nos antecipasse os nossos medos e esperanças; jogavam-se os dados e as cartas, observava-se o voo das aves, ouvia-se a voz da vidente, do oráculo, da sacerdotisa ou do feiticeiro em busca de interpretações, de enigmas premonitórios que sugeriam isto ou aquilo. O futuro é um tempo problemático. Cronos, o deus grego, tanto era entendido como uma divindade do tempo cíclico das colheitas – por isso era representado com uma gadanha que depois passou a s...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 499 leituras
Bater no ceguinho dá cadeia?