Achada por Óscar Possacos

/ 151 leituras
Lugar chão. Por certo se não quero encontro, porque não sei um caminho quieto. Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais. Óscar Possacos (1962) é natural de Sen...

Torno

/ 178 leituras
Ou jorro de água-forte de volta, ou retorno da sujeição à resistência? Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais. Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribe...

Ponta do Sol

/ 195 leituras
Que raio, último e primeiro, ou raça de luz sem fim que derrama na terra derradeira, por quanto o dia demora. Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da ...

Serra de Montesinho

/ 217 leituras
Montanha de janelas amplas defronte aos afloramentos da esteva, mosaico de mel na terra escura e só mais noutro debruço na cor da urze, porque não podem ter noite todas as cores ampla...

Novelas

/ 202 leituras
Algumas são enredos em novelos literários para desembaraçar devagar. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Paredes...

Chaves

/ 182 leituras
Cerram e abrem histórias sem acaso. Destravam línguas de fechaduras. Resguardam as fronteiras da luz interior, da explosão das ruas. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natu...

Altura

/ 225 leituras
Medida dos terraços do olhar ao chão das águas do mar. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Paredes. Com formação ini...

Souto

/ 224 leituras
Passagem de velhos patriarcas na paisagem de Inverno, clareira de sombras altas de Outubro, fruto castanho em ninho eriçado de coração triplo. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962)...

Vila Nova de Foz Côa

/ 225 leituras
Estuário do tempo com troar de silêncios de gravura. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Paredes. Com formação inici...

Outeiro

/ 285 leituras
O tempo à espera do tempo curvo na alvenaria do tempo, à espera  que o planalto desponte do outro lado do cabeço ou morro. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendi...

Viadores

/ 375 leituras
(em dois quadros) Na vidraça há alguém à chuva na estrada. Na vidraça há só chuva e frio na estrada. (Calma, é só a deslocação do ponto de observação ou de alguém ao frio na estrada). Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais.

Serra de Bornes

/ 414 leituras
Entre matéria e antimatéria o desfibrilhar da vida. Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, ...

Seixo

/ 357 leituras
Essa forma pétrea no rolar plástico dos lugares. Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alf...

Rio Ovelha

/ 435 leituras
Rês tresmalhada da sede. Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Manuel Pizarro (1964)

NÓS gostaríamos que no próximo ano pudesse haver uma avaliação a esta medida e pudesse haver a ponderação de um alargamento ainda maior (…). A bitola que na cidade do Porto os jovens até aos 18 anos pudessem ter transportes públicos gratuitos, parece-nos uma bitola que talvez seja financeiramente sustentável. 

Rua da Estrada do Mercado da Arte

APESAR de ser acrílico sobre tela, a arte das valetas pode não ser o género mais apreciado nos meios críticos e comerciais do campo da arte. Ainda que muitos se lembrem que em Paris, nas margens do distintíssimo rio Sena, desde há muito que havia muita arte e artista de rua e de domingo que podia passar para os salões da arte das altas culturas, a verdade é que a N15 não passa em Paris. É pena. Têm mais sorte os rabiscos nas paredes a que chamam graffitis, mesmo que lhes falhe completamente a estética e a política; a primeira, de tão vulgares e desinteressantes que são; a segunda, por lhe f...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 730 leituras
As nuvens têm dono?