Gracinda Ramos

/ 1220 leituras
Há momentos em que o mar pode ser tão fascinante que me encanta. Eu podia vê-lo da estrada, enquanto percorria a marginal de Mesina, mas quando parei e o pude ver mais de perto, mesmo a mais...

José Rui Teixeira (1974)

/ 470 leituras
No dia 19 de setembro, pelas 17 horas, o Valter Hugo Mãe apresentará o meu ACERCA DO DESTERRO na Feira do Livro do Porto / Livraria Poetria. → 6. Foi no outono de 2005, em Barcelona, ...

Vanessa Rodrigues (1981)

/ 1045 leituras
O “Ala Feminina” (Desassossego) e a investigação “Female Crime and Delinquency in Portugal” das investigadoras portuguesas Sílvia Gomes e Vera Duarte foram as obras que deram o mote para a c...

José António Gomes (1957)

/ 1691 leituras
Já que outros se não puderam salvar, que ao menos o Zeca se salve do caldeirão panteónico. Honrar a sua memória é recuperar, no quotidiano e para a formação dos futuros cidadãos, o seu exemp...

Sandra Nobre (1972)

/ 1335 leituras
Auschwitz foi sempre o objetivo. Não sei quando o defini. Não me lembro sequer do momento em que percebi o que era e o que significava Auschwitz. Talvez numa conversa em casa, com os meus pa...

Helder Pacheco (1937)

/ 1212 leituras
Passei pela Cadeia da Relação e vi um pano onde escreveram: «Nasci na Vitória, posso morrer na Vitória?» Isto assim, nem mais, nem menos. E disseram-me que dísticos semelhantes vão apelando ...

Zilda Cardoso

/ 2086 leituras
É um daqueles dias de especial interesse para mim porque velado por um véu translúcido que tapa e destapa, deixa ver ou adivinhar, esconde, revela… dá que pensar. → 14. Desejaria sabe...

Manuel Vitorino

/ 1251 leituras
Por vezes, a casa só tem brilho com o fio de luz que vem das alturas. Outras, por um clarão em diversas formas e texturas. Na cidade fazem parte da paisagem e durante muito tempo foram eleme...

Pedro Guilherme-Moreira (1969)

/ 942 leituras
Quando perco um ídolo, prefiro o silêncio. Mas o orgulho neste momento de 2014 é tanto, a admiração tão genuína, tão visível e tão descentrada, que, no dia em que o Mestre Arnaut regressa à ...

Gustavo Carona (1980)

/ 1661 leituras
Arrepiante subir ao palco. Arrepiante enfrentar tanta gente. Arrepiante tentar representar muitos mais. Arrepiante deixar pedaços do meu coração a nu. Arrepiante querer falar pelos que não t...

Regina Gouveia (1945)

/ 559 leituras
Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe... diz o ditado. No início de novembro,  a minha qualidade de vida, óptima até então, salvo raras e breves exceções,  começou a ficar r...

Armando Requeixo (1971)

/ 153 leituras
Á hora de escribir, moitos autores de toda época e lugar desenvolveron costumes extravagantes cos que se sentiron seguros e que, dalgunha maneira, foron aos seus ollos imprescindibles para l...

Antonio García Teijeiro (1952)

/ 117 leituras
Decía León Felipe en un texto poético contenido en su libro Parábola y Poesía lo siguiente: Poetas... La Poesía es una ventana... la única ventana de mi casa. Por esta ventana irrumpe la luz...

Arsénio Mota (1930)

/ 787 leituras
Fiz 44 anos no dia escolhido pelas Forças Armadas para nos darem o 25 de Abril. Passei então a aniversariar no feriado nacional - como agradecer tamanha dádiva? Festejamos agora os 44 anos d...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Moreira (1956)

NÃO escondo que me desgosta que o país não tenha mais meios do que aqueles que aloca ao combate a este flagelo [tráfico de droga]. Desgosta-me, posso protestar indignado, mas não pode a câmara fazer nada mais do que já faz.

Rua da Estrada da estrada

AS estradas que vão pelas cotas altas das encostas têm larguezas de vistas que nem se imagina. Sigam-se as instruções: onde aparecerem placas a dizer Estrada, certifique-se que essas larguezas de vistas estão mesmo lá; de seguida, procure-se um local bom para paragem (dantes havia uns sinais muito lindos com a silhueta das camionetas da carreira) e pare-se olhando a encosta da outra banda. Chegou o momento da contemplação. Use-se um bom produto para clarear o humor vítreo, a córnea, a pupila e o resto da tralha de ver, e mantenham-se as pálpebras bem abertas. Pode fotografar, desenhar ou or...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 437 leituras
Quantas freguesias tem uma câmara de ar?