Legendas

/ 4950 leituras
Em Manual do Bom Fascista Rui Zink não se posicionou da varanda mais alta a observar, lá em baixo, a parada dos horrores; muito ao contrário disso, mistura-se com a multidão, confunde-se com ela, reconhece o fascista que há em si Publicado in Ípsilon de 18 de outubro 2019, página 20