Neste Natal, dediquem-se ao que sabem…!

/ 770 leituras
SOBRE A AUTORA: Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora. É autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro...

Recomenda-se

/ 236 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Sair à noite

/ 261 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Não se percebe

/ 350 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Ir ao cinema

/ 355 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Não vale a pena

/ 385 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Comer comida com ranho

/ 388 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

O fenómeno da mancha vermelha

/ 422 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Falta de sorte

/ 448 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Encontrões… Encontrões “everywhere”!

/ 367 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

WC público

/ 407 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Traição

/ 440 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Vergonhosa Realidade

/ 504 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

O Valor dos Amigos (continuação)

/ 522 leituras
Raquel Fernandes, natural do Porto, nasceu em 1989. É ilustradora e autora das tiras “Histórias Sem Interesse”. Iniciou a sua colaboração com o Correio do Porto em fevereiro de 2016.

Tabuleta Digital

Sete Perguntas

Vai no Batalha

Marco Martins (1978)

Considerando o pedido de vários colegas presidentes de Câmara, incluindo do próprio presidente da AMP, deixo a decisão de demissão para o coletivo na próxima reunião do Conselho Metropolitano, desde que me sejam dadas condições e carta-branca para trabalhar.

Rua da Estrada da Vacaria

SE PERGUNTAREM o que é paisagem, pode-se responder que é o que resulta da paisagificação de uma determinada actividade ou actividades. Esta é uma paisagem bovina. Pela berma da estrada vai um alinhamento de pedras de dois feitios: umas de muros que havia a bordejar os campos para que os animais racionais e irracionais não fossem para lá calcar, comer ou roubar coisas e pastar em casa alheia; outras, ao alto, seriam postes para segurar as latadas de vinha quando se fazia vinho no tempo em que cada um produzia um pouco de tudo para seu sustento. Entre umas e outras há postes de electricidade e t...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 621 leituras
As ruas da amargura são sempre a descer?