M

/ 34 leituras
O M era pródigo naquelas falinhas mansas atrás da quais se escondem gumes. Os cimos não lhe metiam medo pois tinha uma secreta admiração pelas alturas, pelas grandes vistas e pelas pessoas b...

L

/ 40 leituras
O L assentava em si mesmo como uma luva. Tinha assento em todas as reuniões de letra grande e, se minusculava, logo estreitava laços com quem o precedia ou seguia. Campeão da flexibilidade, ...

Outono

/ 502 leituras
1. das aves caem as penas. emigram as árvores à procura de outro sol. Por Francisco Duarte Mangas, in A fome apátrida das aves, Modo de ler, página 195. 2. Fosses tu uma ave ou um...

K

/ 62 leituras
O K era uma letra inkietante. Antes de mais porke não existia no alPHabeto da língua em ke falo, a não ser nas palavras estrangeiras komo kart e kayak. Tinha um medo ke se pelava do O kuando...

Liberdade

/ 249 leituras
(Palavra de arestas tão gastas) Por Nuno Rocha Morais in Galeria, Edições Simplesmente, abril 2016, página 54. 1. águas aprisionadas tempos contados e matemáticas reduções Por Jo...

Mão(s)

/ 303 leituras
Que instrumento toca E não se ouve? A mão Por Nuno Rocha Morais in Galeria, Edições Simplesmente, abril 2016, página 54. 4. fechadas são pálpebras imensas carregadas de sono. Por...

Chopin

/ 57 leituras
O teu nome parece desabrochar Nesta melodia, Abrir-se numa ave - Os dedos sobre o piano, Imponderáveis e seguros. Por Nuno Rocha Morais in Galeria, Edições Simplesmente, abril 2016, p...

J

/ 125 leituras
O j era ocioso, alegre, jocoso até. Não gostava de trabalhar e descarregava uma parte substancial das suas tarefas no G, mas saía sempre bem no retrato de família. Ao contrário do I, o jota ...

I

/ 108 leituras
O I gastava fortunas em cosméticos para disfarçar a sua pinta que era um sinal de nascença. Mal podia, tornava-se maiúsculo e metia com quantos dentes tinha como só os crescidos conseguem. N...

Granja

/ 130 leituras
A Granja é o sítio do mundo de que eu mais gosto. Há aqui qualquer alimento secreto. Por Sophia de Mello Breyner Adresen, Granja, Setembro de 1944

H

/ 149 leituras
O H ficava bem à cabeça de qualquer palavra embora não se pronunciasse, pelo que era muito requisitado, quando não assediado. Tinha de inventar desculpas esfarrapadas e etimológicas para não...

G

/ 121 leituras
O G sofria de gaguez crónica. Por isso era muito metido consigo. Também padecia de uma grande paixão secreta pelo C e em tudo tentava imitá-lo. Infelizmente o seu amado já tinha com que se c...

Primavera

/ 377 leituras
a primavera é uma enxurrada de verdura  pelos campos Por Francisco Duarte Mangas, in Diário de Link

F

/ 185 leituras
O F sentia-se leve como um ramo, capaz de baloiçar ao vento e pronto a arrancar a raiz única que o prendia à linha da terra. Apesar da sua aparência frágil era uma verdadeira fera quando des...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

Ich weiss nicht, was sie sagen" ("Não sei do que falam").

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 610 leituras
O telemóvel é um meio de incomunicação?