Neto

/ 479 leituras
1. é palavra de crescimento lento. Por Francisco Duarte ...

Reticências

/ 459 leituras
1. como pedras no leito do rio, arcaica travessia se mavios...

Candeia

/ 484 leituras
2. Chama de candeia: luz finita, como ser vivo, nem rouba n...

Segredo

/ 473 leituras
1. A palavra segredo faz lembrar armazém imenso, limpo, par...

Língua

/ 466 leituras
1. Língua morta dá eternidade às coisas. Por Francisco D...

Lume

/ 454 leituras
2. O lume, luz de cobre Por Francisco Duarte Mangas in A...

Perversidade

/ 400 leituras
Palavra de fogo, a perversidade. Por Francisco Duarte Man...

Açude

/ 428 leituras
2. Vocábulo inventado pelos árabes capaz de desembravecer...

Figueira(s)

/ 444 leituras
2. Grupos de figueiras anainhas estendem os braços pelo chã...

Propriedade

/ 404 leituras
palavra de alma cruel. Por Francisco Duarte Mangas in A r...

Caneta(s)

/ 428 leituras
guardam as palavras em estado líquido. Por Francisco Duar...

Água(s)

/ 550 leituras
10. água que agrada não molha. 9. Águas bondosas não...

Agapantos

/ 591 leituras
1. por todo o lado explodem os agapantos... É como se foss...

Frémito

/ 506 leituras
1. palavra nova, portadora de alguma frescura na tarde quen...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O seu (José Vieira de Carvalho) maior orgulho era a Maia. A Maia que ele sonhou, que ele conquistou, e que irrompeu das suas fronteiras em direcção ao cume dos Municípios. Viveu pela Maia e pela Maia morreu. 

Rua da Estrada de Arbo

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 779 leituras
Chegaremos aos quatrocentos?