Amar

/ 327 leituras
2. verbo cheio de água salgada. Francisco Duarte Mangas ...

Povo

/ 57 leituras
quem mais ordena diziam os que falavam Utopia. Francisco...

Utopia

/ 54 leituras
2. magnólia branca, estende as raízes no húmus dos sonhos....

Liberdade

/ 503 leituras
3. nome de avenida. Francisco Duarte Mangas publicado in...

Grândola

/ 51 leituras
polifónica rebeldia no tempo do vinil. Francisco Duarte ...

Chaimite

/ 37 leituras
máquina de guerra carro de sonhos, às vezes. Francisco ...

Capitão

/ 27 leituras
de tempos a tempos os sonhadores chamam-se assim. Franci...

Abril

/ 598 leituras
Mês de um só dia. Francisco Duarte Mangas publicado in di...

Suor

/ 49 leituras
2. Durante a narração do episódio venatório, outras gotas d...

Choupo

/ 63 leituras
É uma árvore generosa, enche-se de frutos em pleno Verão, Fr...

Amanhecer

/ 51 leituras
Lento e húmido como um caracol aproxima-se o amanhecer. F...

Água

/ 37 leituras
Como é cega a água, e tão carente de memória. Francisco D...

Loureiro

/ 40 leituras
O loureiro ilude a ausência de sal na carne. Francisco Du...

Morte

/ 676 leituras
9. Sete palmos. A medida padrão para enterrar a morte. F...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Jorge Nuno Pinto da Costa (1937)

PARA o FC Porto, terminar imediatamente o campeonato até podia ser positivo, tanto ao nível desportivo como financeiro.

Rua da Estrada da Paragem

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 998 leituras
Os papalvos são alvos?