Porto visto por Paulo Vitor F. da Cruz

/ 359 leituras
PAULO Vitor F. da Cruz é natural de Ubá, Minas Gerais, Brasil, onde ainda reside. Conhecida como a “Cidade Carinho”, admite que aquele lugar é por demais inspirador. Com ascendência portugue...

Ventos de guerra na assembleia da paz

/ 510 leituras
“REAWAKENING” significa no dicionário Collins, a renovação de um interesse ou sentimento. Este foi o termo usado por Donald Trump no seu primeiro discurso na sede das Nações Unidas, apelando...

Street Printing Journey in Porto by Emma France

/ 305 leituras
AT the beginning of this year, raubdruckerin (Emma France) undertook a ‘Street Printing Journey’ and visited six European cities, including Porto. The Portuguese city is located at the North...

Porto visto por Victor Valqui Vidal

/ 341 leituras
VICTOR Valqui Vidal nasceu em 1942, na cidade de Lima, Perú, e em 1967 passou a viver permanentemente em Copenhaga, Dinamarca, para onde foi dar aulas na universidade local. Paralelamente à ...

Portas no céu, Isabel na terra

/ 647 leituras
AS peças publicadas na última edição do Expresso de 26 de Agosto, sobre as eleições e a gestão de dinheiros públicos em Angola, refletem bem a tensão ideológica entre a visão promovida pelos...

Jorge Pinheiro (1931)

/ 318 leituras
FOI um dos Quatro Vintes da Escola de Belas-Artes do Porto, com Ângelo de Sousa, Armando Alves e José Rodrigues, e talvez tenha sido esse dos poucos tempos em que se atirou para a ribalta. D...

Porto visto por Igor Lopes

/ 191 leituras
IGOR Lopes é natural da cidade de Ponta Grossa, estado do Paraná, Brasil. Tem formação universitária em engenharia de materiais, no momento trabalha como tecelão e fundidor de alumínio artes...

Porto visto por Ismar Barbosa

/ 234 leituras
ISMAR Venâncio Barbosa é médico de formação e escreve desde os 15 anos. Nasceu na cidade de Maceió – Alagoas onde viveu até se mudar para a Cidade Maravilhosa (Rio de Janeiro) cujo encantame...

Prioritário

/ 213 leituras
NO banco, Cazuza, 69 anos, careca, franzino, quase pele e osso, assume lugar na fila de atendimento prioritário: idosos, gestantes e deficientes. Percebe um pouco a sua frente um jovem: atlé...

Porto visto por Edweine Loureiro

/ 103 leituras
EDWEINE Loureiro, neto de portugueses, nasceu em Manaus, Estado do Amazonas, no Brasil, onde viveu até se mudar, em 2001, para a cidade de Saitama, no Japão. É advogado de formação e escrito...

Porto visto por Suyan de Melo

/ 204 leituras
SUYAN de Melo nasceu na cidade de Araranguá, estado de Santa Catarina, sul do Brasil. Hoje vive no mesmo estado, mas na cidade de Laguna. Desde os vinte anos que se dedica à produção de narr...

Porto visto por César Fernández Arias

/ 233 leituras
CÉSAR Fernández Arias nasceu em Caracas, Venezuela, que deixou quando tinha 9 anos para se instalar em Madrid, Espanha, onde atualmente vive. É escultor e desenhador sui generis. Em 2000 gan...

Porto visto por Tatiana Kauss

/ 241 leituras
TATIANA Kauss é uma carioca da gema: nasceu no Rio de Janeiro onde continua a viver (Ipanema). Dedica-se à escrita e estudo de literatura infanto-juvenil e à encadernação. Admite que as pess...

Porto visto por Zacarias Ferreira

/ 122 leituras
ZACARIAS Ferreira é natural da Póvoa de Varzim, estando a viver atualmente em Barking, Londres, Inglaterra, depois de ter passado pela Suíça. Diz que em alguma medida o meio influência as su...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

NÃO vamos licenciar novas construções. Vamos legalizar casas e empresas com histórico. São empresas consolidadas no território e também é uma forma de evitar que, por falta de uma licença, possam decidir abandonar Gaia e estabelecer-se em concelhos vizinhos, retirando de cá postos de trabalho.

Rua da Estrada do Futuro

ADIVINHAR o futuro ainda é para muitos uma espécie de bruxedo do antigamente. Consultava-se o mediador comunicante com o insondável para que ele nos antecipasse os nossos medos e esperanças; jogavam-se os dados e as cartas, observava-se o voo das aves, ouvia-se a voz da vidente, do oráculo, da sacerdotisa ou do feiticeiro em busca de interpretações, de enigmas premonitórios que sugeriam isto ou aquilo. O futuro é um tempo problemático. Cronos, o deus grego, tanto era entendido como uma divindade do tempo cíclico das colheitas – por isso era representado com uma gadanha que depois passou a s...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 509 leituras
Bater no ceguinho dá cadeia?