Isabel Batata Doce, 53 anos

/ 1487 leituras
EM 1965, em Angola, um grupo de soldados portugueses encontrou uma bebé de 2 anos no meio do mato. Acolheram-na no quartel e trouxeram-na depois para Portugal, onde cresceu sob o olhar do re...

Histórias em postais… vindas do Atlântico

/ 1795 leituras
TOMEI conhecimento do concurso «Histórias em Postais» pelo «blog» Concursos Literários (sigo-o já faz alguns anos, o seu trabalho de divulgação merece uma nota de apreço) e julguei, imediata...

Beto do Bandolim veio ao Porto

/ 1813 leituras
CHAMA-SE Adalberto Cavalcanti Silva, mas no mundo da música popular brasileira é conhecido por Beto do Bandolim. Nasceu no Recife, estado de Pernambuco, Brasil. Começou por tocar cavaquinho ...

Porto visto por Marzia Maria Braglia

/ 654 leituras
MARZIA Maria Braglia dedica-se à pintura, à poesia, à música, ao teatro e ao cinema. É uma verdadeira artista renascentista. O que não é de espantar pois nasceu em Scandiano (Reggio Emilia) ...

Porto visto por Tracey Phillips

/ 594 leituras
TRACEY Phillips vive em Melbourne, Austrália, onde nasceu e cresceu, com exceção do período de dois anos em que esteve em Amphitheatre, um lugar com 200 pessoas (eram mais as ovelhas e as va...

Porto visto por Cristina Bresser

/ 594 leituras
CRISTINA Bresser vive atualmente em Curitiba, Paraná, depois de já ter residido em São Paulo e Rio de Janeiro, Brasil. É escritora, Coach Executiva, Consultora em Carreira e Desenvolvimento ...

Porto visto por Fernando Aguiar

/ 796 leituras
FERNANDO Aguiar é o mais internacional dos poetas visuais portugueses da atualidade. Nasceu em Lisboa, onde continua a residir nos intervalos das viagens que vai fazendo pelo mundo a divulga...

Porto visto por Lúcia Fátima

/ 476 leituras
LÚCIA Fátima vive em São Paulo, Brasil. Formou-se em marketing e o que mais gosta de fazer é ler e escrever. A agitação da cidade influencia bastante as suas historinhas. Por isso, quando es...

tenHo Um amiGO

/ 371 leituras
OLÁ! sou Sandra Ronca, escritora e ilustradora de Literatura Infantil. Em abril, completei 10 anos de carreira literária com um total de 24 livros publicados como ilustradora e/ou escritora....

Porto visto por Inma Doval

/ 975 leituras
INMA Doval é uma artista plástica galega. Além de pintar, faz gravura e instalações. Às vezes também escreve poesia. Atualmente reside na sua terra natal, Corunha, tendo já vivido em Ponteve...

Porto visto por Yayo

/ 640 leituras
DIEGO Herrera, que o usa o nome artístico Yayo, foi o vencedor do Grande Prémio do XVI PortoCartoon - World Festival (2014), com o cartoon “Garrafas de Plástico”. Natural da Colômbia, vive h...

Porto visto por Tania Quindós

/ 1044 leituras
TANIA Quindós é desenhadora gráfica especializada em lettering, caligrafia, tipografia e desenho de icons e pictogramas. Vive em Getxo, uma cidade situada na costa do Golfo da Biscaia, próxi...

Porto visto por Armando Requeixo

/ 961 leituras
ARMANDO REQUEIXO nasceu em Mondoñedo, uma localidade na provincia de Lugo. Com poucos dias de vida foi levado para Barcelona onde os pais estavam emigrados. Aos 13 anos regressa a Galiza par...

Porto visto por Xacobe Meléndrez Fassbender

/ 673 leituras
XACOBE Meléndrez Fassbender é um galego nascido em Tegucigalpa, Honduras. Viveu dois anos na terra natal, teve uma breve estadia em Madrid e passou o resto do tempo na cidade A Coruña e peri...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Moreira (1956)

COMO sempre disse, a Câmara Municipal do Porto, seja qual for a situação, defende sempre - enquanto eu for presidente - os seus interesses, defende sempre o interesse dos seus munícipes e, portanto, fez aquilo que devia fazer.

Rua da Estrada de Luanda

NÃO é só Luanda que está caótica. Caótico está o próprio conceito de cidade na versão habitual de andar por casa pensando que as cidades são os centros históricos da velha Europa, uns prédios apinhados, e umas auto-estradas, centros comerciais…, além extensos subúrbios, e pronto. Na África havia aquela ideia de que a cidade era a cidade colonial com suas avenidas e jardins limpinhos, casas lindas e prédios tropicalmente modernos. O resto era o caniço, o musseque, os indígenas e os seus outros mundos. A ordem e a desordem urbana faziam-se com este dualismo entre supostos civilizados e indíge...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 660 leituras
Os patos marrecos já nascem assim?