1911
0
COMPARTILHAR
Inicio Poemário Manuel Araújo...

Manuel Araújo da Cunha (1947)

Manuel Araújo da Cunha (1947)

0
1911

7.
Serenidade

Serenidade
faz com que os beijos
cheguem à altura dos ombros
e que os lábios
cheguem à altura dos beijos

Tranquiliza as águas
adormece os montes
amortalha-me em ti

in Barcos de papel, Edições Vírgula, março 2019, página 81

6.
Pureza

Tão puros os olhos
que avistam os barcos
a subir encostas

Tão puras as mãos que tecem as velas
das altas montanhas

Olhos, barcos, velas
encostas e montanhas

Tudo é rio

Tudo é água
a morrer à sede

in Barcos de papel, Edições Vírgula, março 2019, página 12

5.
Chove em Pedorido meu amor
E tudo à minha volta é frio, é dor
Desolação, tristeza e agonia
Violenta agita as águas do meu rio a nortada
Soluçam os barcos saudosos de acalmia
Estremecem os salgueiros, é fria a madrugada 

4.
Vem
Quando se fizer silêncio em meu redor
e a urze se cobrir de violeta

3.
O silêncio da tua voz quebrou o tempo
A doce madrugada emudeceu 

2.
O sol morria à tarde, docemente.
Quando em ti meus olhos se ficaram 

1.
Comando uma fragata naufragada
Arrasto pelas águas a idade do tempo 


Manuel Araújo da Cunha
, nasceu e reside em Rio Mau pequena aldeia de pescadores, lavradores, barqueiros e mineiros, situada na margem direita do rio Douro e no extremo sul do concelho de Penafiel. É autor dos livros: Contos do Douro, Dourointeiro, Dourolindo, A Ninfa do Douro, Palavras- Conversas com um Rio e Fado Falado-Crónicas do Facebook. Administra os blogues: Dourointeiro e Douro Lindo. No Facebook além da página pessoal e a de Autor, administra os Grupos: Livros, Escritaria e Douro Lindo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here