1260
0
COMPARTILHAR
Inicio Poemário André Domingu...

André Domingues (1975)

André Domingues (1975)

0
1260

7.
De olhos fechados

Alguma vidência ganha em negação
de olhos fechados como se quisesse
ler ou lembrar as sombras

as ideias bravas do amor
rasgam as provas de fogo
ao cimo das escadas
um concerto demasiado ambicioso
para uma comoção apagada –

o pequeno pátio, a crença passiva
de que os sonhos rebentam todos
ao despertar, amanhã, é possível
que vejas esse luar voluptuoso

as imagens da vida explícita que deixámos
correr pelas faces degradadas
todas as desatenções

pessoas aproximadas, por milagre
de si próprias
lobos que trazem a caridade na boca
o horror das cariátides
quando cedem ao modelo da exaustão
e já não suportam o templo e o modo

a antiguidade, sejamos honestos,
também já pouco podia
contra os erros comuns
não há-de faltar espaço no futuro
para os dias grandiosos
da desconfiança.

 

6.
Descendente

Todas as coisas têm a forma de um minuto perdido
a fama de uma desprezada antecedência
e pretendem morrer.

Quem se dá por desaparecido
no escuro fervor da recompensa?

Acordas preso pela força da repetição
às correntes sanguíneas do vazio
dependes do ímpeto
e da perturbação da fronteira
veneras a criminalidade dos céus.

Mas descendes ainda
da plena extorsão dos princípios.
De forma cruel quase sempre
regressas sem ver ao desfile do tempo
tomas partido, vais crescendo
o rosto coberto de películas, esquissos
para a criação de uma admirável promessa

tão alta como as primeiras vezes
em que foste insolente com a vida
com essa alegria de lince em breve
vagar de arquitecto, o brilho da origem
liquidado à nascença. 

5.
Emboscada

Como é bela a vingança da fala.
As falsas partidas, os golpes
de sorte, as lanças da tarde

toda e qualquer espécie de olhar
sem âmbito

são exemplos de discórdia
de puro dislate
de alto mal-estar.

Mas enquanto essa luz suja lavar
eu continuarei no receio
das imagens

na pausa automática
dos que sofrem
a noite nas costas. 

4.
Bosquejo

O dia exaspera
a louca velocidade das maçãs
do rosto da mulher mordida
à hora certa
nos jardins envidraçados do futuro
a luz humana de um uivo. 

3.
dói-me o teu nome longínquo.
dói-me o irresistível artesanato da distância 

2.
Uma máquina de fazer sumo da Terra
e não haver sumo na Terra, senão suor, 

1.
Quando a velocidade se divorcia do veículo
e atinge a insanidade do condutor
o êxtase ama a catástrofe. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here