COMPARTILHAR
Inicio Correspondentes Francisco Dua...

Francisco Duarte Mangas (1960)

Francisco Duarte Mangas (1960)

0
792

aos jornalistas pé-de-microfone,
que esta tarde cobriram o comício
de andré ventura com polícias, lembro
um provérbio espanhol: “cria corvos,
eles comer-te-ao os olhos”. 

§

9. Certas vezes leio os jornais, e sempre aprendo alguma coisa, principalmente no domínio da arte dos títulos. No Público, na edição de hoje, descubro esta obra prima: “Alta traição de William com fantasma de Adrien preso no banco de nevoeiro” 

§

8. Agora o verão. Havia um muro grande, junto à estrada nacional. Uma vez por ano, o cantoneiro, durante um dia, tosquiava as pequeninas flores que nasciam nas juntas das pedras, da base ao topo, e davam ao muro a invulgar beleza de jardim vertical. 

§

7. Por que razão Portugal continua a arder? Antes de tudo, o abandono, há décadas, da agricultura de subsistência. Por que motivo houve subsídios para tanta coisa, e nenhum foi encaminhado para os pobres camponeses que trabalhavam a terra e, com esse rito arcaico, cuidavam a paisagem, raro património comum? Seu gesto, paciente e sofrido, mantinha vivo os montes, os rios, as levadas, os caminhos, o olhar. 

§

6. Nos lançamentos dos seus livros no Porto, mesmo não sendo ele (Bento da Cruz) apresentador televisivo ou personagem das revistas cor de rosa, juntava pequenas multidões. 

§

5. o que passa no mediterrâneo, a indiferença pelo desespero dos refugiados, pela morte de crianças, traz  à  lembrança o ghetto de Varsóvia e outros horrores da guerra. a europa nada aprendeu com a história. assistimos ao naufrágio dos direitos humanos, ao pouco que restava da democracia burguesa.

§

4. a ler a paisagem a alta velocidade a luz tenra
da tarde atravessando o bosque e logo os campos
ocupados pelos milheirais  e de novo claridade 

§

3. Uma vez, Luísa Dacosta disse-me que as flores da magnólia carecem de aroma. Remoí a humilhação em silêncio: 

§

2. Karl persiste. Fracassada a primeira tentativa de mudar o mundo, abre A Palavraria 

§

1. Os livros são perigosos 

§

7 perguntas a Francisco Duarte Mangas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here