Língua

/ 466 leituras
1. Língua morta dá eternidade às coisas. Por Francisco D...

Lume

/ 454 leituras
2. O lume, luz de cobre Por Francisco Duarte Mangas in A...

I

/ 348 leituras
O I gastava fortunas em cosméticos para disfarçar a sua pint...

Libélula

/ 467 leituras
Uma libélula voa - de nádega em nádega Por Jorge Sousa ...

Inverno

/ 570 leituras
1. É belo o tempo de Inverno, no silêncio, a lenha húmida ...

Insolência

/ 446 leituras
Doença contagiosa e incurável, introduzida no nosso país pel...

Inferno

/ 508 leituras
o Inferno é um campo de trigo sem dono um pássaro morto n...

Inundação

/ 460 leituras
A água também perde a paciência!   Por João Pedro...

Ignomínia

/ 425 leituras
Nome de planta carnívora.   Por João Pedro Més...

Indolência

/ 432 leituras
Ausência de dolo.   Por João Pedro Mésseder, in E...

Intimismo

/ 426 leituras
Doença senil da literatura.   Por João Pedro Méss...

llha

/ 424 leituras
1. tu que com sono a glabra ilha lavras   Por ...

Ignorância

/ 450 leituras
A ignorância é o mais preenchido dos vazios.   Po...

Insónias

/ 453 leituras
As insónias são sonhos maus que teimam em ser sonhados de ol...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O seu (José Vieira de Carvalho) maior orgulho era a Maia. A Maia que ele sonhou, que ele conquistou, e que irrompeu das suas fronteiras em direcção ao cume dos Municípios. Viveu pela Maia e pela Maia morreu. 

Rua da Estrada de Arbo

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 779 leituras
Chegaremos aos quatrocentos?