Início » Arquivos

Artigos na categoria Letra F

F
[27 Mai 2017 | Comentar | ]
F

O F sentia-se leve como um ramo, capaz de baloiçar ao vento e pronto a arrancar a raiz única que o prendia à linha da terra. Apesar da sua aparência frágil era uma verdadeira fera quando desatava a bufar para afastar os indesejáveis, em particular o P e o H que outrora se haviam coligado contra ele e nunca tinham perdoado ao dono do alPHabeto terem sido substituídos por letra tão pouco clássica.
Por Regina Guimarães in Abecedário Abetardário

Família
[23 Abr 2017 | Comentar | ]
Família

A família é um buraco absurdo sobre a casa
– uma gruta sem acesso –
Por Daniel Faria, in Poesia, Homens que são como lugares mal situados, Edições Quasi, 1.ª edição, Novembro de 2003, página 123.

Filho(s)
[23 Abr 2017 | Comentar | ]
Filho(s)

1.
O filho é o carrossel à volta da mãe
Por Daniel Faria, in Poesia, Homens que são como lugares mal situados, Edições Quasi, 1.ª edição, Novembro de 2003, página 123.
2.
Sons da alma
e trabalhos do corpo
Duas sílabas
para a ilusória
eternidade
Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 86.

Ferida
[31 Mar 2017 | Comentar | ]
Ferida

A palavra
ferida
guarda
na sua
crosta um
trambolhão.
Por João Manuel Ribeiro in Palavras-chave, Trinta Por Uma linha, março de 2017, Porto.

Fascismo
[19 Dez 2016 | Comentar | ]
Fascismo

1.
Sistema político semiobscuro: o sol quando nascia não era para todos.
 
Por Francisco Duarte Mangas e João Pedro Mésseder, in Breviário do Sol, Editorial Caminho, Janeiro de 2002, página 63.
 
2.
Ditadura terrorista
do capital.
 
Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 34.

Formiga
[19 Dez 2016 | Comentar | ]
Formiga

Eterna viúva condenada a trabalhos forçados.
 
Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 28.

Furão
[14 Dez 2016 | Comentar | ]
Furão

Furão é palavra bravia.
 
Por Francisco Duarte Mangas, in A casa dos caçadores, hidra editores, 2007, página 21.

Fonte
[14 Dez 2016 | Comentar | ]
Fonte

Local onde os trovadores medievais esperavam a amada.
 
Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 59.

Foz
[14 Dez 2016 | Comentar | ]
Foz

1.
Interjeição dita pelos rios quando, finalmente, caem nos braços do mar.
 
Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 59.
 
2.
A Foz é para mim a Corguinha, o Castelo e o Monte com o rio da Vila a atravessá-lo, e a Rua da Cerca até ao Farol.
 
Por Raul Brandão, in Os Pescadores, Estante Editora, 2.ª edição, agosto de 2010, página 27.

Frio
[14 Dez 2016 | Comentar | ]
Frio

O frio amola
a água cortante
das nascentes.
 
Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 22.

Fala
[14 Dez 2016 | Comentar | ]
Fala

A tua fala é um gume leal.
 
António de Sousa, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 41.

Fogueira
[14 Dez 2016 | Comentar | ]
Fogueira

que alteavam a sequiosa fogueira
ao desligar das luzes dos bailes
 
Por João Rios, Aprendizagem Balnear, Cadernos do Grito, página Contra o egoísmo dos mais velhos.

Fantástico
[10 Dez 2016 | Comentar | ]
Fantástico

Doença infantil da literatura.
 
Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 34.

Ferocidade
[10 Dez 2016 | Comentar | ]
Ferocidade

Metrópole de celerados.
 
Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 34.