867
2
COMPARTILHAR
Inicio Poemário Flor Campino ...

Flor Campino (1934)

Flor Campino (1934)

2
867

5.
Fui outrora cariátide num templo antigo
e pintora de papiros no Alto Egipto. Insone,
sou hoje a vestal que a hora do lobo
mantém acordada, impedindo-o de furtar
o fulgor da última centelha. Desenredei-a
das folhas de um fim de tarde excessivo e,
apostada em devolvê-la ao bordo do novo
dia, conto o pingar do tempo que me aproxima
da aurora. Anseio pelo sono donde, livre
de alucinações, partirei para a recolha
de outras centelhas, talvez de outro desafio.

Cantareira, 19 de Agosto, 2020

4.
ARMA

A palavra é uma arma.
Quem a arremessa
contra um coração partilhado
pode feri-lo de morte
mas a si próprio tira a vida. 

in O avesso das palavras (Edição Afrontamento)

3.
FLORES E CORES

As cores colhidas para ti
nas campânulas florescem
o galho eleito pela cotovia.
Confio-tas culminantes de luz.
Guarda-as. Verás como perfumam
o dia, mesmo nos lugares
mais recônditos.

Se esmorecerem reanima-as
dá-lhes uma vida maior
preserva nelas a infância.
Cedo-te para isso a tela virgem
da minha pele: risca, tatua
pinta. Lágrimas minhas
as farão renascer e por acréscimo
o canto da cotovia.

Nunca cores ou flores
se deram em demasia.

2.
A gota de orvalho
sobre o cacto
reflecte todo o jardim

1.
Com o ouro furtado
a abelha filigrana
a charneca em flor 

Flor Campino nasceu em Tomar em 1934 e formou-se em pintura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Em 1961 fixou residência em Paris, onde foi professora de Língua e Cultura portuguesa. Regressou a Portugal no ano 2000. Como artista plástica tem participado em exposições colectivas e realizou algumas individuais. No domínio da poesia entre 2000 e 2018 publicou A aresta das folhas, O Crivo dos dedos, Pérolas de vidro ( bilingue), O Lume dos Dias, Elogio do efémero (bilingue). Na área infanto-juvenil:O Arco-Iris, A Cabra Cabrita , A Menina do Búzio, O ano do Urso, e Gil e a Fantasminha, ilustrados pela autora, excepto A Menina do Búzio que foi ilustrado por Luís Silva. Está representada na Gulbenkian, na Biblioteca Nacional de Paris, no Museu de arte Contemporânea de Tomar e na Fundação Cupertino Miranda.

2 COMENTÁRIOS

  1. Lindíssima composição (3) de grande frescura poética e dois haikus fabulosos

  2. És Linda minha Querida tia🥰
    Tens uma alma sensível, brilhante, recheada de doçura☺️
    Isso vê-se no teu semblante, respira-se nas tuas palavras, bebe-se perto de ti💗

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here