204
0
COMPARTILHAR
Inicio Poemário Aureliano Lim...

Aureliano Lima (1916-1984)

Aureliano Lima (1916-1984)

0
204

Onde me alongo e ergo. Cesto
meu e minha cereja. Minha
redonda cadeira. Longos são
os dias quando estremeço. Amor
amado: quando te toco e beijo. 

Vê o que podes haurir
sem gesto, sem mácula,
em silêncio. Não me fales
do tempo. O tempo é o lugar
onde a memória cresce. 

Aureliano Lima nasceu em Carregal do Sal, em 1916, e faleceu em Vila Nova de Gaia, em 1984. Estudou m Oliveira do Hospital e andou por Coimbra até se radicar em Gaia em 1959. Além de escultor, colaborou em jornais e revistas literárias e não deixou de publicar regularmente os seus livros de poemas. As suas obras principais são: Rio Subjacente, (1963); Os Círculos e os Sinais, (1974); Tempo de Dentro-Fora, (1975); O Homem Cinzento ou a Alquimia dos Números, (Prefácio de Fernando Guimarães, narrativa, 1975); Cântico e Eucalipto, (1978); Espelhos Paralelos, (1983); Ele e os Outros, (1983); Os Rios e os Lugares, (antologia poética organizada e prefaciada por Serafim Ferreira, 1985); O Leito e a Casa, (1986).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here