93
0
COMPARTILHAR
Inicio Obituário Fernando Fern...

Fernando Fernandes (1934-2018)

Fernando Fernandes (1934-2018)

0
93

CHAMARAM-LHE “o Sr. Livro”, “o poeta do livro”, e Agustina Bessa-Luís considerou-o mesmo “o maior dos livreiros de Portugal”. Mário Cláudio não tem dúvidas de que ele foi “o último grande livreiro da cidade do Porto” – Fernando Fernandes morreu na manhã deste domingo na sua casa no Porto, aos 84 anos. Desapareceu duas décadas depois de se ter reformado e abandonado a direcção da Livraria Leitura, que durante quase meio século foi paragem obrigatória para quem queria colocar-se a par da actividade editorial nacional e não só, principalmente nas áreas da literatura, da arte, do cinema, do teatro, da arquitectura, da filosofia ou da história.

A derradeira homenagem a Fernando Fernandes pôde ser prestada esta segunda-feira no Palacete dos Viscondes de Balsemão, mas sem a realização de qualquer cerimónia fúnebre, já que o livreiro decidira doar o seu corpo ao Instituto de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

A Livraria Leitura já não “mora” na esquina das ruas de Ceuta e de José Falcão, no centro histórico do Porto. Mas sucessivas gerações de portuenses e visitantes recordarão certamente que ali existiram duas casas – a Divulgação, primeiro; a Leitura, a seguir – que ajudaram a abrir horizontes para muito do que se publicava, pintava ou acontecia na cena cultural mundial, principalmente nos anos cinzentos do Estado Novo.

“Fernando Fernandes foi particularmente importante numa altura, o tempo da censura salazarista, em que a leitura e o convívio com os livros não era nada fácil”, salienta Mário Cláudio, que classifica a Leitura como “um alfobre de grandes descobertas”.

Essas descobertas aconteceram, primeiro, na Divulgação, fundada em 1958 e instalada na Rua de Ceuta para ser a sede portuense de um núcleo de intelectuais ligados a uma associação nascida no Alentejo e responsável pelo jornal A Paisagem. Nesse grupo pontuavam figuras como José Augusto Seabra, Vítor Alegria, o actor João Guedes ou o crítico de teatro Carlos Porto, que decidiram ir buscar à vizinha Livraria Aviz um jovem para gerir o novo espaço: Fernando Fernandes.

Uma década depois, a Divulgação passou a ser a Leitura, e tanto na primeira como nesta segunda vida tornou-se um lugar incontornável para quem quisesse actualizar-se com o mundo editorial. Além do comércio livreiro – e Fernando Fernandes não recusava a sua montra a uma edição de autor de um jovem poeta, porque não queria arriscar-se “a recusar um José Régio, que também publicou o seu primeiro livro a expensas próprias”, como disse em entrevista ao PÚBLICO, quando se reformou –, a Leitura promovia encontros com escritores e artistas e as suas pioneiras sessões de autógrafos eram célebres, com filas que por vezes se prolongavam rua abaixo.

Para o registo da história da Divulgação/Leitura – que foi passada a livro pelo editor José da Cruz Santos, numa publicação Campo das Letras, em 1999, quando a Câmara do Porto homenageou Fernando Fernandes com a Medalha de Ouro da Cidade – ficaram encontros com figuras como Aquilino Ribeiro (“pouco tempo antes da sua morte em 1963”, recorda Mário Cláudio), José Régio, José Rodrigues Miguéis, Óscar Lopes, José Cardoso Pires, Jorge Amado e outros.

Livros e artes

“Fernandes era um inovador e sempre teve uma intuição muito rara para as coisas da cultura”, diz Germano Silva, realçando a atenção que ele sempre deu também às artes plásticas. Ainda na década de 60, alugou um novo espaço na Rua de 31 de Janeiro, que passou a funcionar como galeria de arte. Armando Alves foi, com Júlio Resende e Amândio Silva, responsável pela programação desse espaço onde regularmente se realizavam exposições – como depois aconteceu, também, com filiais em Lisboa e em Viana do Castelo. “Eu acompanhei todos os movimentos da criação da Divulgação e da Leitura, que era o espaço da intelectualidade da época”, nota Armando Alves, que, além disso, se tornou amigo pessoal de Fernandes, com quem jogava ténis, inclusivamente em competições oficiais.

O pintor alentejano radicado no Porto cita duas exposições que tiveram grande impacto: logo em 1959, a primeira mostra de trabalhos do seu colega da Escola de Belas Artes Ângelo de Sousa, em parceria com o consagrado Almada Negreiros; e, já na década de 60, por altura do Natal, uma montra com cartões de Boas-Festas do próprio Armando Alves e de António Quadros. “Foi um verdadeiro sucesso!”, lembra.

Amadeo de Souza-Cardoso, Maria Helena Vieira da Silva, Júlio Resende, Nadir Afronso e Nikias Skapinakis foram outros artistas que mostraram trabalhos nesses espaços.

Reforma premonitória

No final de 1998, Fernando Fernandes vendeu a sua quota na Leitura ao seu sócio-fundador Carvalho Branco e retirou-se para sua casa, numa reforma de algum modo prematura. “Além de a idade avançar e de as capacidades logicamente irem diminuindo, aumentavam os problemas, as burocracias, a papelada”, justificou na altura.

Apesar do optimismo com que ainda encarava o futuro do livro e da sua Leitura, Fernandes aceitava que os tempos estavam a mudar, e que o livro, fatalmente, teria de se “associar ao multimédia, à Internet, a toda essa panóplia de novas tecnologias”. Não imaginaria, contudo, que o impacto negativo dessas alterações ultrapassaria rapidamente os seus piores receios: em 2005, a livraria foi adquirida pelo grupo Civilização e passou a chamar-se Leitura Books & Living; e em Janeiro do corrente ano, fechou definitivamente as portas, sucumbindo ao ar dos tempos.

Por essa razão, Mário Cláudio diz que Fernando Fernandes “foi o último grande livreiro do Porto”, que se distinguia por “uma personalidade sempre muito discreta, extremamente culto, com um afecto enorme pelos livros e pela leitura”. “O drama é que não deixa continuadores”, lamenta o autor de A Alma Vagueante (uma reunião de crónicas que contempla também a figura de Fernando Fernandes), acrescentando que “também já não há livrarias e, nos sítios onde se vendem livros, a impessoalidade entre o comprador e o vendedor tornou-se diária”.

Não era assim com Fernando Fernandes, que, primeiro do que tudo, era um grande leitor.

Por Sérgio C. Andrade publicado in PÚBLICO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here