1326
0
COMPARTILHAR
Inicio Poemário José Rui Teix...

José Rui Teixeira (1974)

José Rui Teixeira (1974)

0
1326

4.
Houve um tempo em que eu desconhecia o medo.
Deus ainda amava os filhos dos homens
quando, anos mais tarde, parou de chover.
Caiu-te um livro das mãos como um presságio. 

3.
Amo-te como buganvílias caídas ao redor
das casas ou o luar branco dos caminhos,
ou a substância audível da tua respiração. 

2.
Pousado no arcaz o fogo, como nas mãos de Caim,
o âmbar, os pântanos, os plátanos, um planisfério 

1.
Os filhos são insectos de alabastro
nas noites de insónia das mães 

7 perguntas a José Rui Teixeira

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here