COMPARTILHAR

Segundo dilúvio

Segundo dilúvio

0
2229

PELE branca, olhos azuis. Azuis, como lagos profundos. No mês de maio saía da casa em ruínas: ia com as borboletas na caça de fragrâncias remotas. Colhia flores silvestres, oferecia-as aos camponeses. E a generosidade dos camponeses dava-lhe vinho e sorrisos. Quando nasceste, contou-lhe uma velha, súbita tempestade destruiu a nossa aldeia. As enxurradas arrastaram gado e gente. Ano de penúria. Nesse mesmo dia, como se as palavras da velha acirrassem a fúria da natureza, sobreveio temporal desabrido. Os sobreviventes do segundo dilúvio, em clamor aflito, procuraram a menina. Ninguém, e ninguém a viu – ter-se-á esborratado no azul profundo dos olhos.

Texto de Francisco Duarte Mangas publicado originalmente in O homem do saco de cabedal, Campo das Letras, maio de 2000, página 10, com ilustração de Inma Doval.

Partilha

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here