800
0
COMPARTILHAR
Inicio Poemário Ana Luísa Ama...

Ana Luísa Amaral (1956)

Ana Luísa Amaral (1956)

0
800
A casa em ruínas que vejo daqui
salta da janela, entra nesta sala, 

§

Mesmo que fale de sol e de montanhas,
mesmo que cante os ínfimos espaços 

§

Tento empurrar-te de cima do poema
para não o estragar na emoção de ti: 

§

Como posso dizer que o teu corpo é divino?
Nele eu faria o pino até insensatez, 

§

Sentei-me com um copo em restos de
champanhe a olhar o nada.
Entre crianças e adultos sérios
Tive trinta em casa. 

§

Minha senhora noite desvelada:
Nem chamar-te antiquíssima desejo.
Minha mãe, minha amiga, Noite Minha,
Casa onde sou senhora como tu. 

§

BIOGRAFIA (CURTÍSSIMA)

Ah, quando eu escrevia
de beijos que não tinha
e cebolas em quase perfeição!

§

Ana Luísa Amaral (1956) é uma poetisa portuguesa e professora de Literatura e Cultura Inglesa e Americana na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Ana Luísa Amaral nasceu em Lisboa e vive, desde os nove anos, em Leça da Palmeira. Tem um doutoramento sobre a poesia de Emily Dickinson e as suas áreas de investigação são Poéticas Comparadas, Estudos Feministas e

Estudos Queer. É Professora Associada da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde integra também a direção do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. Tem publicações académicas várias em Portugal e no estrangeiro. É autora, com Ana Gabriela Macedo, do Dicionário de Crítica Feminista (Porto: Afrontamento, 2005) e preparou a edição anotada de Novas Cartas Portuguesas (1972), de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa (Lisboa: Dom Quixote, 2010).

Está representada em inúmeras antologias portuguesas e estrangeiras e tem feito leituras dos seus poemas em vários países, como Brasil, França, Estados Unidos da América, Alemanha, Irlanda, Espanha, Rússia, Roménia, Polónia, Suécia, Holanda, China, Colômbia e Argentina.

Em torno da sua obra a companhia Assédio, com o Teatro do Campo Alegre, levou à cena dois espetáculos de teatro (O Olhar Diagonal das Coisas e A História da Aranha Leopoldina).

Em 2007, venceu o Prémio Literário Casino da Póvoa, atribuído no âmbito do encontro de escritores de expressão ibérica Correntes d’Escritas na Póvoa de Varzim, com a obra A Génese do Amor. No mesmo ano, foi galardoada em Itália com o Prémio de Poesia Giuseppe Acerbi. O seu livro Entre Dois Rios e Outras Noites obteve, em 2008, o Grande Prémio de Poesia da APE (Associação Portuguesa de Escritores).

Publicados em França, no Brasil, na Suécia e em Itália, os seus livros serão brevemente editados também na Holanda e na Venezuela.

Sito in http://pt.wikipedia.org/

zp8497586rq