Nenúfar

/ 257 leituras
Um nenúfar flutua na mesma água que a lua Por Jorge Sousa Braga, in O poeta nu , Nenúfares, Assírio & Alvim, 2.ª edição, abril de 2014, página 223.

Navalha

/ 214 leituras
1. Cúmplice companhia. Por Francisco Duarte Mangas, in A fome apátrida das aves, Modo de ler, página 34. 2. também a navalha do enxertador indicia a primavera Por Francisco ...

Neve

/ 249 leituras
1. Fuligem das queimadas do sol nos matagais celestes.   Por Francisco Duarte Mangas e João Pedro Mésseder, in Breviário do Sol, Editorial Caminho, Janeiro de 2002, página 65. ...

Navegador

/ 249 leituras
Aquele que escreve sobre as águas a melancolia dos dias.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 61.

Névoa

/ 263 leituras
Rebanho espesso a pastar no cume da madrugada.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 62.

Nicarágua

/ 244 leituras
País cujos habitantes inventaram a água. Para que a invenção nunca fosse esquecida, deram à capital o nome de Manágua, que significa mãe da água.   Por João Pedro Mésseder e Franc...

Narciso

/ 296 leituras
Aquele em cujo rosto se reflecte a ondulante vaidade das águas.   Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro d...

Nome

/ 231 leituras
Timbre activo, aos poucos modela o ser ou objectos timbrados.   Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de ...

Névoa

/ 250 leituras
Ao pôr do sol, e com a névoa da baixa-mar, que é o hálito puro das águas.   Por Raul Brandão, in Os Pescadores, Estante Editora, 2.ª edição, agosto de 2010, página 150.

Neto

/ 215 leituras
1. é palavra de crescimento lento.   Por Francisco Duarte Mangas in A rapariga dos lábios azuis, Quetzal Editores, 2011, página 21.

Noite

/ 242 leituras
1. Noite de breu: onde acaba o mar e começa o céu? Por Jorge Sousa Braga, in O novíssimo testamento e outros poemas, Assírio & Alvim, página 25. 2. No alongar do ditongo o...

Nuvem

/ 252 leituras
1. Alma andarilha das águas.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 62.   2. Comovido querubim...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

Ich weiss nicht, was sie sagen" ("Não sei do que falam").

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 610 leituras
O telemóvel é um meio de incomunicação?