Semente

/ 289 leituras
1. Será a chuva a semente dos rios? Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro. 2. A semente está poisada no lugar de padecer Por Daniel Faria, in Poesia, Ex...

S

/ 98 leituras
O S sempre se imaginou descendente directo da serpente tentadora de Eva e, à conta dessa pesada herança, hesitava quanto ao som que melhor lhe assentava. Embora o sss sibilante lhe parecesse...

Sonho(s)

/ 468 leituras
são pensamentos sem dono Por Manuel Maria Aboim in [as amoras de eugénio] publicado no Facebook

Silêncio

/ 573 leituras
1. negociavam com estudado silêncio o resgate dos seus da possibilidade do naufrágio Por João Rios, in Aprendizagem Balnear, Cadernos do Grito, página Resgate. 2. O silêncio é ...

Sol

/ 572 leituras
1. Sol Que quando és nocturno ando Com a noite em minhas mãos para ter luz. Por Daniel Faria, in Poesia, Edições Quasi, Novembro de 2003, página 240. 2. Estrela, astro central,...

Sororizar

/ 1119 leituras
O verbo SORORIZAR, feminino de FRATERNIZAR, acho que não existia antes. Ou, se existia, nunca era conjugado. A língua portuguesa é demasiado patriarcal. Tive de o criar, ou, pelo menos, ...

Sanguessuga

/ 336 leituras
Pertence à família dos vampiros bons.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 50.

Serpente

/ 379 leituras
Qual a diferença entre serpente e ser pente?   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 50.

Sossego

/ 321 leituras
Mas basta-me um quadrado de sossego Para a distância absoluta   Por Daniel Faria, in Poesia, Edições Quasi, Novembro de 2003, página 134.

Sara

/ 325 leituras
Sara é o nome do deserto É o nome da videira estéril É o nome à espera de ter filhos   Por Daniel Faria, in Poesia, Edições Quasi, Novembro de 2003, página 151.

Sal

/ 319 leituras
Grãos de sol nascidos do suor marinho.   Por Francisco Duarte Mangas e João Pedro Mésseder, in Breviário do Sol, Editorial Caminho, Janeiro de 2002, página 67.

Sola

/ 341 leituras
Mulher do sol, passa os dias a calcorrear os caminhos da galáxia.   Por Francisco Duarte Mangas e João Pedro Mésseder, in Breviário do Sol, Editorial Caminho, Janeiro de 2002, pág...

Solange

/ 324 leituras
Anjo do sexo feminino, leva o jantar ao sol e, em seguida, ajuda-o a enfiar-se nos seus lençóis de mar.   Por Francisco Duarte Mangas e João Pedro Mésseder, in Breviário do Sol, E...

Solar

/ 353 leituras
Palácio, casa grande e antiga habitada por gente por gente que gostava de viver de umbigo ao sol e com o rei na barriga.   Por Francisco Duarte Mangas e João Pedro Mésseder, in Br...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

As pessoas que durante um ano e tal andaram a procurar destruir o partido, a destruir a minha liderança, a destruir a direção nacional, fizeram tudo o que estava ao seu alcance para isso, e chegar à última da hora [para] aparecer e dizer que dão um grande apoio é uma situação hipócrita.

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 504 leituras
Quem cobre todas as propostas evita resfriados?