Gasómetro

/ 439 leituras
1. esta palavra tem alma azul Por Francisco Duarte Manga...

Gato(s)

/ 472 leituras
5. O meu gato esconde nos olhos um misterioso caçador de...

Grândola

/ 76 leituras
polifónica rebeldia no tempo do vinil. Francisco Duarte ...

Galho(s)

/ 563 leituras
2. É mais fácil ver galhos parasitas na árvore dos outros. ...

Granja

/ 379 leituras
A Granja é o sítio do mundo de que eu mais gosto. Há aqui qu...

G

/ 381 leituras
O G sofria de gaguez crónica. Por isso era muito metido cons...

Guarda-rios

/ 453 leituras
2. Impossível guardar o rio que desagua na nossa infância...

Galo

/ 467 leituras
Do cume da madrugada manda os vassalos libertar o dia. ...

Golfinho

/ 383 leituras
Sem golfinhos a tristeza dos oceanos seria infinita. ...

Gralha

/ 434 leituras
Ave que cultiva a arte poética: passa a vida a recriar pal...

Garfo

/ 433 leituras
O tímido garfo ascende pela claridade , cresce descativo ...

Giestas

/ 444 leituras
o oiro florido das giestas debruça-se na estrada &n...

Girassol

/ 474 leituras
«Compact disc» dos templos fenícios. Por Francisco Duarte...

Guarda-sol

/ 486 leituras
Paramilitar sazonal; hiberna, como todos os animais de sangu...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O seu (José Vieira de Carvalho) maior orgulho era a Maia. A Maia que ele sonhou, que ele conquistou, e que irrompeu das suas fronteiras em direcção ao cume dos Municípios. Viveu pela Maia e pela Maia morreu. 

Rua da Estrada de Arbo

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 779 leituras
Chegaremos aos quatrocentos?