Entrevado

/ 175 leituras
Em trevo de três folhas convertido. Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 32.Entrevado

Esmagar

/ 153 leituras
Achatar pedacinhos de ar.   Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 32.

Estultícia

/ 147 leituras
Flor de aspecto risível.   Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 33.

Extraviado

/ 148 leituras
Servido em excesso.   Por João Pedro Mésseder, in Elucidário de Youkali seguido de Ordem Alfabética, Editorial Caminho, janeiro de 2006, página 33.

Espelho

/ 153 leituras
1. Cansado de reflectir a imagem alheia, despenhei-me no soalho ao encontro da minha.   Por Inês Lourenço, in Coisas que nunca, &etc, 2010, página 50.   2....

Estio

/ 158 leituras
O dia com suas brasas, a noite com suas asas.   Por João Pedro Mésseder, in Meridionais, Deriva Editores, Março 2007, página 37.

Escritor

/ 151 leituras
O escritor português tem o sentimento inato da paisagem, porque ela responde às suas íntimas qualidades rácicas.   Por Teixeira de Pascoaes, in A arte de ser português, Assírio &a...

Estar

/ 163 leituras
estamos onde somos Por Óscar Possacos, in Cantaria, Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, julho de 2014, página 11.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

NÃO vamos licenciar novas construções. Vamos legalizar casas e empresas com histórico. São empresas consolidadas no território e também é uma forma de evitar que, por falta de uma licença, possam decidir abandonar Gaia e estabelecer-se em concelhos vizinhos, retirando de cá postos de trabalho.

Rua da Estrada do Futuro

ADIVINHAR o futuro ainda é para muitos uma espécie de bruxedo do antigamente. Consultava-se o mediador comunicante com o insondável para que ele nos antecipasse os nossos medos e esperanças; jogavam-se os dados e as cartas, observava-se o voo das aves, ouvia-se a voz da vidente, do oráculo, da sacerdotisa ou do feiticeiro em busca de interpretações, de enigmas premonitórios que sugeriam isto ou aquilo. O futuro é um tempo problemático. Cronos, o deus grego, tanto era entendido como uma divindade do tempo cíclico das colheitas – por isso era representado com uma gadanha que depois passou a s...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 499 leituras
Bater no ceguinho dá cadeia?