Escritor

/ 331 leituras
2. Pela escrita se suaviza o infortúnio do mundo Por Francisco Duarte Mangas in Água do mar, conto inserto na obra Pavese no café Ceuta, edição Teodolito, fevereiro de 2019, página 150 ...

E

/ 349 leituras
O E tinha a certeza de ser. Pelo menos dizia que sim. Porém, estranhamente, estava sempre de garras de fora como se fora obrigado a defender-se sabe-se lá que posse de si. Invejava a alegria...

Esmeralda(s)

/ 398 leituras
De que secreta primavera serão as esmeraldas a memória? Por Jorge Sousa Braga, in O poeta nu , Esmeraldas, Assírio & Alvim, 2.ª edição, abril de 2014, página 192.

Eucalipto

/ 314 leituras
Pergunta a um eucalipto a idade. Ele dir-te-á: Abraça-me! Por Jorge Sousa Braga, in O poeta nu , No alto do Aguilhão, Assírio & Alvim, 2.ª edição, abril de 2014, página 100.

Estrelas

/ 450 leituras
1. As estrelas vivem ao colo dos rios. De dia, dormem de olhos abertos, arpoados por centelhas de prata flutuante. À noite, saem para atapetar o céu de flores. Por César Augu...

Eira

/ 494 leituras
1. Avenida dos Aliados recuperada por Siza Vieira.   Por Germano Silva.   2. Local sagrado onde os camponeses antigos, para afastar a fome a penúria, depunham ofe...

Enguia

/ 366 leituras
Peixe disfarçado de cobra. Viaja léguas e léguas para lavar os filhos na água doce.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho,...

Esquilo

/ 341 leituras
No Outono sobe às árvores para substituir os frutos que perderam a claridade. Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, ...

Estrela-do-mar

/ 355 leituras
A prova de que não há só estrelas no céu.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 27.

Espera(r)

/ 311 leituras
1. Esperar é um modo de chegares Um modo de te amar dentro do tempo   Por Daniel Faria, in Poesia, Edições Quasi, Novembro de 2003, página 85.   2. Por um mome...

Enágua

/ 351 leituras
Interjeição dita pelos beduínos quando encontram um oásis no meio do deserto.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, p...

Enxurrada

/ 361 leituras
Rebelião das águas contra a tirania das margens.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 58.

Espuma

/ 340 leituras
1. Vestido de noiva das imensas águas do mar.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 58.   2. ...

Estrada

/ 344 leituras
e logo a seguir a estrada que se deita a caminho entre campos para a Póvoa de Varzim. Por Raul Brandão, in Os Pescadores, Estante Editora, 2.ª edição, agosto de 2010, página 49.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

As pessoas que durante um ano e tal andaram a procurar destruir o partido, a destruir a minha liderança, a destruir a direção nacional, fizeram tudo o que estava ao seu alcance para isso, e chegar à última da hora [para] aparecer e dizer que dão um grande apoio é uma situação hipócrita.

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 504 leituras
Quem cobre todas as propostas evita resfriados?