SENTADO na pedra à beira do rio, clamo aos ventos o teu nome. Sofro. Dói-me a aprazível e primaveril paisagem, doem-me os barcos que passam com e sem destino, doem-me as gaivotas que sobrevoam os teus olhos, doem-me as árvores, as casas, as pedras que seguram o céu, doem-me os cantos matinais das rolas, doem-me as flores silvestres que enfeitam as ruas da nossa aldeia, as violetas, os malmequeres, as urzes, as papoilas das beiras dos caminhos onde tu passavas, dói-me a tua ausência nos círculos desenhados na água pelas mãos da Primavera que te levou consigo, dói-me a vida toda no sopro dos ventos que te trazem nas mãos.

Dormes amortalhado nas memórias do rio que te embalou, recolheste a casa, voltaste ao colo de nossa Mãe. Que alegria deves ter sentido ao cruzar as ombreiras da porta onde moram os anjos!

Que lindo é este anoitecer! O céu abre-se sobre a nossa terra, raiado de brancos imaculados anunciam o incerto amanhã. Esta é a imagem permanente dos teus dias felizes, a última, a que levaste para mostrar no Céu.

Aqui na Terra, sentado na pedra à beira do nosso rio, sinto a tua ausência e lembro-me insistentemente de ti. Estou só, mas contigo dentro de mim, meu querido irmão!

Manuel Araújo da Cunha (Rio Mau, 1947) é autor de romances, crónicas, contos e poesia. Publicou: Contos do DouroDouro Inteiro;  Douro LindoA Ninfa do DouroPalavras –  Conversas com um Rio; Fado Falado –  Crónicas do Facebook;  Amanhecer; Barcos de PapelCasa de Bonecas e Crónicas de outro Mundo.

496
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here