Moura Morta

/ 709 leituras
Asa de folha no desapego do ramo, na incidência da luz fria do véu que flutua, da grinalda dos nenúfares da bandeja do pranto. Guarda a mão em ruína que alcança a beleza e o silêncio par...

Aguçadoura

/ 374 leituras
Examinemos na alternância do mar o desbaste dos sentidos na terra. A afiação. A têmpera do fio da água. Cofia-se aos metais, à lâmina amolada, o descobrimento da terra na masseira, o ...

Olho Marinho

/ 638 leituras
De que nascente vem o mar à fonte e trás o sal ao olhar? SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Paredes. Com formação ...

Tropeço

/ 273 leituras
Banco sem mal, baixo, equilibrado em pés mínimos e sem estorvo. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Paredes. Com...

Serra de Bornes

/ 311 leituras
Entre matéria e antimatéria o desfibrilhar da vida. Texto de Óscar Possacos e ilustração de Alexandre Morais. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, ...

Sortes

/ 272 leituras
Algum chão que nos toca como herança. (E a vida dá-nos o tempo que nos mata). SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Pa...

Alter do Chão

/ 377 leituras
Há o outro lado das pastagens do inconsciente onde o cavalo vindo, estanca. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Par...

Ninho do Açor

/ 304 leituras
Mistério das aves altas que pairam. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Paredes. Com formação inicial em arquitetura...

Outeiro

/ 181 leituras
O tempo à espera do tempo curvo na alvenaria do tempo, à espera  que o planalto desponte do outro lado do cabeço ou morro. SOBRE O POETA: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendi...

Penso

/ 917 leituras
Revela-se na luz e logo à cabeça, acomoda a constância da abundância: livra a noite da extracção do alimento e do cultivo no doce caminho das pedras gastas. SOBRE O AUTOR: Óscar P...

Silva Escura

/ 289 leituras
Exemplo da persistência da raiz e da seiva nos talos curvos: explicação das amoras e acúleos. Estranha representação dos amores, madrigueira viva dos nocturnos. SOBRE O AUTOR: Ó...

Cerejais

/ 386 leituras
Primeiro o alimento da paisagem em flor. (O ritual da terra a abrir, e a condução das abelhas de cor em cor). O fruto virá mais tarde, com a amêndoa. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos...

Rio Ave

/ 232 leituras
Também voa nas nuvens, na eterna transumância de retorno às nascentes, aos ventres da cabreira. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da ...

Torre Vã

/ 377 leituras
Vara de colmo que a planície avista e alteia. Admite comunicação vertical interior pelos diafragmas dos soalhos. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira...

Tabuleta Digital

Sete Perguntas

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

RENDA acessível significa reconhecer que hoje já não temos a casa para os pobres como problema principal, mas temos a classe média e os mais jovens com dificuldades em entrar no mercado de arrendamento fruto do elevado preço que o mercado está a pedir.

Rua da Estrada Selvagem

(…) Get your motor runnin' Head out on the highway Looking for adventure In whatever comes our way Yeah, darlin' Gonna make it happen Take the world in a love embrace Fire all of your guns at once And explode into space Like a true natures child We were born Born to be wild We can climb so high I never wanna die Born to be wild Born to be wild Estes são os versos finais de Born to be wild dos Steppenwolf (1968). Easy Rider será o filme de culto, e a moto Harley-Davidson conduzida por Peter Fonda e Dennis Hopper, um verdadeiro mito da cultura americana. On the Road, o...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 585 leituras
As ruas da amargura são sempre a descer?