Chão de Vento

/ 102 leituras
Rés invisível do piso movediço, onde se fixam as palavras mais sólidas como grutas no pavimento varrido. (Ou dual guia no terreno do sopro, do bafo, na tangência dos sentidos). ...

Água Longa

/ 290 leituras
De que perdimento o veio vem, que longe o sustém e que tempo tem o fim uma pena de água corrente? SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega...

Terrugem

/ 432 leituras
A respiração deita-se na sedução da pele, no respiro de óxido de terra na sudação mais íntima de cada poro. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alf...

Aguçadoura

/ 274 leituras
Examinemos na alternância do mar o desbaste dos sentidos na terra. A afiação. A têmpera do fio da água. Cofia-se aos metais, à lâmina amolada, o descobrimento da terra na masseira, o ...

Unhais da Serra

/ 386 leituras
Eis a montanha aos nossos pés. Por aqui os deuses nos fugiram para se alcandorarem nos céus ou caíram em si, de regresso à terra para aconchegar o bacelo na sua manta? SOBRE O AUT...

Torre Vã

/ 246 leituras
Vara de colmo que a planície avista e alteia. Admite comunicação vertical interior pelos diafragmas dos soalhos. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira...

Forte da casa

/ 401 leituras
Mesmo que os vigamentos resvalem nas mísulas, as recravas descolem e se abram as portas e os travamentos se abatam na deriva da curva, resiste o espaço ígneo das pedras refractárias deba...

Cumieira

/ 501 leituras
Onde se religam os planos mais altos, a montanha persistente no eterno círculo: onde se recorta a figura na distância que só o olhar frequenta. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962...

Aver-o-mar

/ 225 leituras
Como olho de peixe a observar do fundo, um bater de pálpebra com espuma em avanços de revolução a salgar o mundo. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeir...

Silva Escura

/ 130 leituras
Exemplo da persistência da raiz e da seiva nos talos curvos: explicação das amoras e acúleos. Estranha representação dos amores, madrigueira viva dos nocturnos. SOBRE O AUTOR: Ó...

Peso da Régua

/ 232 leituras
O ciclo das encostas na gravidade das margens, derrama poesias às folhas, no comprimento do rio. São paisagens em películas gravadas à tona ou a água forte nas escalas, dos sedimentos p...

Alter do Chão

/ 296 leituras
Há o outro lado das pastagens do inconsciente onde o cavalo vindo, estanca. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos (1962) é natural de Sendim da Ribeira, Alfândega da Fé. Por ora vive em Par...

Moura Morta

/ 603 leituras
Asa de folha no desapego do ramo, na incidência da luz fria do véu que flutua, da grinalda dos nenúfares da bandeja do pranto. Guarda a mão em ruína que alcança a beleza e o silêncio par...

Cerejais

/ 281 leituras
Primeiro o alimento da paisagem em flor. (O ritual da terra a abrir, e a condução das abelhas de cor em cor). O fruto virá mais tarde, com a amêndoa. SOBRE O AUTOR: Óscar Possacos...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Jorge Nuno Pinto da Costa (1937)

VOCÊS foram um motivo de orgulho de todos os portugueses, mas será fácil de compreender que para nós ainda mais. Para além dos parabéns, quero dizer-vos que todos nós temos muito orgulho no que vocês fizeram e que tenho a certeza que vocês hão de repetir muitas vitórias com a camisola de Portugal, mas também muitas com a do FC Porto.

Rua da Estrada da estrada

AS estradas que vão pelas cotas altas das encostas têm larguezas de vistas que nem se imagina. Sigam-se as instruções: onde aparecerem placas a dizer Estrada, certifique-se que essas larguezas de vistas estão mesmo lá; de seguida, procure-se um local bom para paragem (dantes havia uns sinais muito lindos com a silhueta das camionetas da carreira) e pare-se olhando a encosta da outra banda. Chegou o momento da contemplação. Use-se um bom produto para clarear o humor vítreo, a córnea, a pupila e o resto da tralha de ver, e mantenham-se as pálpebras bem abertas. Pode fotografar, desenhar ou or...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 457 leituras
Embriaga mais o copo ou a copa?