COMPARTILHAR
Inicio Poemário Francisco Dua...

Francisco Duarte Mangas (1960)

Francisco Duarte Mangas (1960)

0
1666

19.
ramil é um lugar primordial
há o som da água fria a cair no poço
camélias admiradas por várias gerações
e os figos da capa rota
tão doces como o amor de mãe
e agora as jovens cerejeiras
cheias de frutos – alguém as plantou aí
para prover a felicidade das aves.

[rossas 18 maio 2019] 

26.
quem tem telhados de vidro
adormece a contar estrelas 

25. Caneta

Guardas as palavras em estado líquido. 

24.
eis os carneirinhos do salgueiro
manso rebanho a pressentir
a tenra primavera

23. Outono

das aves caem
as penas.
emigram as árvores
à procura de outro sol. 

22.
Primavera:
Quando te vejo pela manhã
apetece-me ser eterno. 

21.
na alfândega da fé
deus vasculha a cabeça,
o silêncio, os bolsos
dos fieis
só assim escusa a imoral simonia. 

20.
Furão é palavra bravia. 

19.
no amor em pousio
dorme uma tangerina
ainda verde 

18.
Toupeira
Um bicho verdadeiramente apaixonado
pela intimidade da terra. 

17.
a primavera é uma enxurrada
de verdura pelos campos 

16.
Truta
As tuas pintas cor de fogo
não as apaga a água, 

15.
Urso: escorre mel por esta palavra. 

14.
Urubu
Dos tempos de escola
só se lembra de uma vogal.

13.
Veado: Pequena árvore andante. 

12.
Vespa: Uma abelha
que não aprendeu
a ser doce. 

11.
Em Abril,
águas mil
não sei quantos
que fugiram
para o Brasil. 

10.
Xaputa: Peixe marinho. Em árabe o seu nome é xabbut. 

9.
o silêncio da água
abriga-se na raiz dos plátanos 

8.
as árvores são como os homens, embora
não andem. 

7.
os estorninhos outra vez
em bando pelo meio da névoa
que penúria tão funda os arrasta
como o povo do nosso tempo? 

6.
o fogo outonal nas árvore

prova que a beleza da natureza
se estende até à morte.

uma morte transitória. 

5.
a caça. abriu a caça os cães pela madrugada dentro sôfregos, cheios de doçura e morte. 

4. Janela

certas noites por aí
convido a lua
tomamos chá de cidreira
trocamos versos antigos. 

3. A barca dos dias

um dia cheio de chuva
sobe lentamente a barca
na sereníssima água do tempo 

2. Utopia realizável

é na rua que tudo começa.
hoje foi lindo: hoje voltei
a ter orgulho de ser português. 

1.
Na juventude gostava de pregar
partidas: batia às portas e fugia. 

Francisco Duarte Mangas (Rossas, 1960) foi professor três anos e jornalista durante quase três décadas. Autor de mais de duas dezenas de obras nos domínios da ficção, poesia e  literatura infanto-juvenil. O seu primeiro livro, Diário de Link, foi distinguido  com o Prémio Carlos de Oliveira. Geografia do medo, A morte do Dali , O coração transido dos mouros,  A rapariga dos lábios azuis e Jacarandá são alguns dos seus romances. No campo da poesia, publicou  Cavalo dentro da cabeçaEspécies cinegéticasPequeno livro da terra, Transumância,  Brévia e A Fome Apátrida das Aves. Na literatura para os mais novos começou com O elefantezinho verde;  contaria depois as histórias de O gato Karl,  O ladrão de palavras,  O noitibó a gralha e outros bichosA menina, Sílvio, domador de caracóis e O gato Karl – a palavraria. Com Augusto Baptista escreveu O Medo não podia ter tudo, e partilharia ainda a escrita de  Breviário do Sol e  Breviário da Água com João Pedro Mésseder.  Integrou a direção do Teatro Experimental do Porto-Círculo de Cultura Teatral, quando o TEP tinha sede na margem direita do Douro,  foi vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas,  é o presidente da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

BIBLIOGRAFIA

1984 Cavalo dentro da cabeça AJHLP

1987 Espécies cinegéticas AJHLP

1993 Diário de Link Editorial Teorema

1995 Ladrão de Violetas Editorial Teorema

1997 Geografia do medo Editorial Teorema

1999 A fenda no cavalo Editorial Teorema

1999 O medo não podia ter tudo Campo das Letras

2000 O homem do saco de cabal Campo das Letras

2001 A morte do Dali Editorial Teorema

2001 Elefantezinho verde Campo das Letras

2002 Breviário do sol Editorial Caminho

2002 O coração transido dos mouros Editorial Teorema

2002 Os passos por dentro da casa Edições Asa

2002 Transumância Campo das Letras

2003 A casa escrita Edições Eterogémeas

2004 Breviário da água Editorial Caminho

2005 Brévia Hidra Editores

2005 O gato Karl Editorial Caminho

2007 A casa dos caçadores Hidra Editores

2008 O ladrão de palavras Editorial Caminho

2009 O noitibó, a gralha e outros bichos Editorial Caminho

2010 A menina Caminho das Palavras

2010 Sílvio domador de caracóis Editorial Caminho

2011 A rapariga dos lábios azuis Quetzal Editores

2013 A fome apátrida das aves Modo de Ler

2015 Cidade escrita

2015 Jacarandá Teodolito

2016 O senhor nunca e o senhor jamais Edições Afrontamento

2016 Sílvio guardador de ventos Editorial Caminho

2019 Pavese no café Ceuta Teodolito

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here