COMPARTILHAR
Inicio Obituário Luís Mourão (...

Luís Mourão (1960-2019)

Luís Mourão (1960-2019)

0
181

QUANDO nos damos conta, é sempre demasiado tarde. Adiamos a carta, a mensagem, o telefonema, o encontro, hoje, amanhã, depois de amanhã, uma e outra vez. Por pudor, por incúria, por preguiça, por pura cobardia. Há mil razões para adiar um encontro e todas estão erradas. Não há desculpa. E, no entanto, deixamos o tempo construir a sua diabólica obra. A negra e lenta teia. E assobiamos para o lado, ou melhor, para dentro. Eu devia ter ligado ao Luís Mourão. Devia ter escrito. Devia ter ido ao seu encontro. Agora é demasiado tarde. Restam as palavras e os livros, e é tão pouco. Resta-me a memória de alguns encontros, tão poucos, mas sempre inesquecíveis, a pretexto dos livros.

Era um prazer ouvir o Luís Mourão falar dos livros e dos autores que lhe interessavam. Como os grandes mestres, tinha desenvolvido uma espécie de exercício de encantamento para seduzir o auditório. Do fundo de um bolso, retirava a chave e apresentava-a com prazer ao público. Depois, com um gesto largo e lento abria o texto, e o milagre desenrolava-se diante dos nossos olhos, como se assistíssemos a um filme. O momento raro em que a literatura se solta das páginas e ganha cor e música, osso e músculo. E é tudo ficção. Quer dizer, é tudo verdade.

O Luís amava apaixonadamente os seus autores: Raúl Brandão, Carlos de Oliveira, Agustina Bessa-Luís, Augusto Abelaira, Maria Velho da Costa e, acima de tudo, Vergílio Ferreira. O Luís Mourão acrescentava facilmente uns centímetros à estatura de cada um. E não era apenas uma questão de generosidade. Tratava-se antes de verdadeira paixão. A paixão verdadeira e grega, de que falava o Herberto, e que, no caso do Luís, exigia ser partilhada.

Escreveu livros a duas, três, quatro mãos, apresentou autores a editores e editores a autores, participou em revistas, apoiou causas, organizou encontros, concebeu teses e orientou outras, e manteve o blogue Manchas, entre 2006 e 2013, onde publicou centenas de pequenas notas sobre literatura, cinema, música, breves iluminações sobre aspectos do quotidiano, e aforismos, alguns dos mais belos que se podem ler na blogosfera.

último post, datado de 10 de Março de 2013, é um excerto de um poema de Spoon River, do Edgar Lee Masters. Os derradeiros cinco versos do texto dedicado a Walter Simmons, o relojoeiro da cidade, que também tocava trombeta, pintava quadros, modelava em barro e que sonhava com a construção de um motor que nunca funcionou: «Algumas almas benévolas pensavam que o meu génio/ fora de algum modo prejudicado pela loja./ Mas não era verdade./ A verdade era só esta:/ eu não tinha inteligência que chegasse.» A sua última reunião de ensaios, de 2003, intitula-se Sei que já não, e todavia ainda. E no cabeçalho do seu último post, que é a primeira frase que salta quando se acede ao blogue, lê-se apenas: «Isto dito, continuar.» Não há alternativa, pois não? Não há outra maneira de acabar, senão continuar.

Por Rui Manuel Amaral publico in Bicho Ruim

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here