COMPARTILHAR

Mãos na cabeça

Mãos na cabeça

0
3615

DEVAGAR caminhavam, as mãos na cabeça. Viam o fascínio fresco do rio, na lentidão dos olhos adoravam as trutas. Nunca estes homens comeram um peixe. Na Primavera subiam, eles e o gado, ao monte: falavam às árvores, mascavam bagas azedas. Da margem esquerda do rio, bebiam a limpidez da água para desagasalhar o sono dos peixes. Abraçados à noite, endoideciam. Abraçados à noite.

Texto de Francisco Duarte Mangas publicado originalmente in O homem do saco de cabedal, Campo das Letras, maio de 2000, página 9, com ilustração de Inma Doval.

Partilha

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here