COMPARTILHAR

Anjo azul

Anjo azul

0
569

Era diferente. A multidão o afligia, a
inabilidade de filtrar uma voz, entre
todas ouvidas ao mesmo tempo, era o
estopim da crise. Por que falar tão
alto? Restava-lhe tapar os ouvidos, ou
chorar. A agonia irrefreável só cedia
com o prazer do abraço intenso, quase
sufocador. Sem asas, era um anjo azul.

Por Regina Ruth Rincon Caires, que vive em Campinas, São Paulo, Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here