São eles que anunciam o verão.
Não sei doutra glória, doutro
paraíso: à sua entrada os jacarandás
estão em flor, um de cada lado.
E um sorriso, tranquila morada,
à minha espera.
O espaço a toda a roda
multiplica os seus espelhos, abre
varandas para o mar.
É como nos sonhos mais pueris:
posso voar quase rente
às nuvens altas – irmão dos pássaros –,
perder-me no ar.

Eugénio de Andrade in Os sulcos da sede, Aos jacarandás de Lisboa, Quasi, 2007, página 17

*

Extravasou do largo o jacarandá
Com as suas flores miúdas
ocupa agora toda a manhã

Jorge Sousa Braga in Fogo sobre fogo, Fenda, 1998, página 59

*

Quando,          no Inverno,

ao anoitecer, toda a terra
do mundo
se cola aos teus olhos,

a sombra
do Jacarandá do Viriato*
protege-te do frio.

* Árvore do Largo do Viriato na cidade do Porto
César Augusto Romão in Tanto ar, Propagare, Porto 2009, página  23

*

EL PALABRISTA

Sándalo
Jacarandá
Penumbra
Cristal
Sombra
Anhelar
Runa
Arena
Exámetro
Ámbar

(Las diez palabras más bellas de la lengua castellana según Borges) in Poemas Plagiados, Esteban Peicovich, bajo la luna, 2008, página 23

*

Fotos de Raquel Gociol tiradas aos jacarandás floridos em Buenos Aires no início de dezembro deste ano. O vídeo é da sua nietita de seis años.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here