1671
0
COMPARTILHAR
Inicio Do outro mundo Brossa nunca ...

Brossa nunca esteve no Porto?

Brossa nunca esteve no Porto?

0
1671

QUISEMOS saber se Joan Brossa (1919-1998) esteve em Portugal, em especial no Porto. Mas não. Apesar de ter vivido aqui tão perto, o poeta visual catalão não teve curiosidade em conhecer-nos. O que também se justifica por ser pouco dado a viagens. Sabe-se, contudo, que se correspondeu com autores portugueses, como Fernando Aguiar e César Figueiredo. É o que nos conta Glòria Bordons, diretora da Fundação com o seu nome. Mas como nós sabemos que Brossa foi amigo próximo de João Cabral de Melo Neto, que chegou a ser cônsul geral do Porto, podemos afirmar que esteve cá por interposta pessoa.

Por Paulo Moreira Lopes

Joan Brossa teve alguma relação com a cidade do Porto?

Glòria Bordons: Que eu saiba, Joan Brossa (1919-1998) nunca esteve no Porto (e mais: não esteve tampouco em Lisboa nem noutro lugar em Portugal). Ele não gostava muito de viajar, depois das suas primeiras viagens a Paris (1956 e 1960), dedicou-se a assistir a sessões de cinema, arte e teatro, só saindo para apresentar as suas exposições noutras cidades ou a convite para participar em algum ato (como a “Virada do Século”, em 1993 no Rio de Janeiro, em que se reuniram os três “Joões”: Cabral de Melo Neto, Brossa e Ashbery). Não foi o caso de Portugal, onde a primeira exposição que se realizou foi em 2007 em Lisboa (muito depois, portanto, da sua morte), aproveitando o regresso de uma itinerância pelos países situados no extremo sul da América do Sul (Joan Brossa, desde Barcelona ao Novo Mundo, com três paragens no Brasil).

Trocou correspondência com autores da cidade do Porto (por exemplo César Figueiredo)?

Glòria Bordons: Sei que existe alguma correspondência com autores portugueses (por exemplo, Fernando Aguiar), mas muito escassa. Consultado o arquivado, confirma-se que há correspondência com César Figueiredo de 1990.

Além daqueles contactos, no ano 2003 (portanto depois da sua morte), realizou-se uma exposição intitulada “Brossa e o seu tempo” na sede da Fundação Vila Casas em Barcelona, comissariada por M. Lluïsa Borràs, em que se expôs uma seleção de obras de Brossa dos anos 60 em conjunto com outras procedentes da Fundação Serralves do Porto. Cabe dizer, não obstante, que a maioria das obras eram de artistas internacionais não portugueses e que a intenção da amostra era demonstrar que Brossa, de maneira quase isolada, havia feito obras paralelas aos considerados “grandes” da sua época (George Brecht, Marcel Broodthaers, John Cage, Richard Hamilton, Jannis Kounellis, Bruce Nauman, etc.), sem tampouco os ter conhecido.

§

Original

Joan Brossa teve alguma relação com a cidade do Porto?

Glòria Bordons: Que yo sepa, Joan Brossa no estuvo nunca en Porto (es más: no estuvo tampoco en Lisboa ni en otro lugar de Portugal). A él le gustaba muy poco viajar y, dejando de lado sus primeros viajes a París (1956 y 1960) para formarse viendo películas, arte y teatro, sólo lo hizo con motivo de la presentación de exposiciones suyas en otras ciudades o de invitación para participar en algún acto (como la “Virada do seculo”, el año 1993 en Rio de Janeiro, en que se reunieron tres “Joaos”: Cabral de Melo, Brossa y Ashbery). No fue el caso de Portugal, donde la primera exposición que se realizó fue en 2007 en Lisboa (mucho después, por lo tanto, de su muerte), aprovechando el regreso de una itinerancia por el cono sur de América (Joan Brossa, desde Barcelona ao Novo Mundo, con tres paradas en Brasil).

Trocou correspondência com autores da cidade do Porto (por exemplo César Figueiredo)?

Glòria Bordons: Sí que hay alguna correspondencia con autores portugueses (por ejemplo, Fernando Aguiar), aunque escasa y, una vez consultado el listado, he comprobado que hay correspondencia con César Figueiredo de 1990.

A parte de este contacto, en el año 2003 (por lo tanto después de su muerte), se celebró una exposición titulada “Brossa i el seu temps” en la sede de la Fundació Vila Casas en Barcelona, comisariada por M. Lluïsa Borràs, en la que se puso una selección de obras de Brossa de los años 60 junto a otras procedentes de la Fundación Serralves de Porto. Cabe decir, no obstante, que la mayoría de obras eran de artistas internacionales y no portugueses y que la intención de la muestra era demostrar que Brossa, de manera casi aislada, había hecho obras paralelas a los considerados “grandes” de su época (George Brecht, Marcel Broodthaers, John  Cage, Richard hamilton, Jannis Kounellis, Bruce Nauman, etc.), sin tan solo conocerlos.

Partilha

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here