1172
0
COMPARTILHAR
Inicio Do Porto Rita Monteiro...

Rita Monteiro, 23 anos

Rita Monteiro, 23 anos

0
1172

ANTES de ir para a Noruega, a guarda-redes Rita Monteiro, concedeu uma entrevista ao blogue ANDEBOL FEMININO PORTUGAL. Numa pequena conversa, Rita Monteiro analisa a sua primeira época no estrangeiro, bem como dá a conhecer as ambições para esta época.  Uma entrevista a não perder! NOME: RITA MONTEIRO IDADE: 23 NATURALIDADE: ERMESINDE PERCURSO DESPORTIVO: Padroense, Estrela Vigorosa, Santa Joana, Académico, Santa Joana, Gloppen e Stryn (Noruega)

Como foi a época de estreia na Noruega?

A nível pessoal foi positiva, não posso negar que foi uma experiência difícil, mas  valeu a pena. A nível coletivo não correu muito bem, porque queríamos a subida de divisão e não o conseguimos.

Como surgiu a possibilidade de emigrar para um dos campeonatos mais conceituados da modalidade?

Surgiu um convite para ir treinar, eu fui e eles, felizmente, gostaram. Recebi uma proposta do Gloppen e não hesitei.

Fale-nos do Gloppen, clube que representou na última época?

Gloppen é uma pequena aldeia. Aquilo é muito pequeno e no meio do nada, mas isso não me atemorizou e consegui justificar a aposta.

Tínhamos como objetivo a subida de divisão, mas não o conseguimos.

Segue-se agora o Stryn, da 2.ª divisão?

Sim. É uma aldeia ligeiramente maior em relação a Gloppen. O Stryn é uma equipa que conheço, dado que estava no nosso campeonato, mas conseguiu a subida.

Para esta época,  o objetivo passa novamente pela subida de divisão.

No Stryn vai ter a companhia da Ana Correia. É uma situação que lhe agrada por certo?

Sim. Sem dúvida. Ter uma colega portuguesa é muito bom. A Ana Correia é uma boa jogadora e, por certo, vai corresponder às expetativas.

A Selecção Nacional é um objetivo?

Para já não. Pretendo que esta seja a minha época de afirmação. Quero chegar à Liga Profissional da Noruega ou  jogar numa das principais ligas europeias.

Considera que em Portugal foi uma jogadora a quem nunca deram o devido valor?

Não vou tão longe, contudo nunca tive a oportunidade de jogar numa das principais equipas. Pelos clubes onde passei, sempre me respeitaram e isso é que é importante valorizar.

Considera que mais atletas portuguesas poderiam jogar na Noruega?

Sim. Poderiam jogar perfeitamente na terceira e na segunda divisão. Algumas até na Liga Profissional, não tenho dúvidas disso.

O talento existe, mas a jogadora portuguesa vive ainda num mundo muito pequeno. Em Portugal, o campeonato tem duas divisões, enquanto na Noruega existem cerca de sete.

Recomenda às andebolistas portuguesas que vivam uma experiência no estrangeiro?

Totalmente. Todos sabemos como o nosso país está. Há muita jogadora com tanto talento nas selecções jovens e o andebol feminino está a crescer. Penso que a médio prazo a selecção vai colher esses frutos.

Há mercado na Europa para a jogadora portuguesa tem que se convencer disso. Não tenham medo de arriscar.

Publicado in ANDEBOL FEMININO PORTUGAL

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here