1673
0
COMPARTILHAR
Inicio Do Porto Joana Marques...

Joana Marques, 33 anos

Joana Marques, 33 anos

0
1673

ACABA de ser mãe, mas arranjou tempo para responder ao nosso questionário. Também acaba de ser distinguida com uma Medalha de Honra L`Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência 2010. Esta investigadora, do Serviço de Genética Médica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), recebeu um prémio de 20 mil euros, que tem por objectivo “incentivar o trabalho de mulheres com menos de 35 anos que já tenham completado os seus estudos de Doutoramento na área das Ciências da Saúde”.

Joana Marques dedica-se ao estudo de genes capazes de transformar células comuns (da pele) em células pluripotentes que podem “entrar na formação de qualquer órgão”, como é o caso das células estaminais embrionárias, o que abre portas à sua utilização terapêutica. Ainda assim, estas “celulas pluripotentes” presentam a vantagem de não levantarem os problemas éticos e deontológicos que a utilização de células estaminais embrionárias implica.

Esta investigadora nasceu no Porto, é licenciada em Biologia pela Faculdade de Ciências da U.Porto e doutorada em Biologia Humana pela Faculdade de medicina da U.Porto. Fez um pós-doutoramento na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Do curriculo constam já outras distinções como o Promega Young Geneticist Award, da Genetics Society, no Reino Unido, em 2008 (Segundo Prémio) ; uma 1ª Menção de Honra LabMed, em 2003, e o Prémio Jovem Investigador, da Sociedade Portuguesa Genética Humana (SPGH), em 2003.

– De que mais gosta na Universidade do Porto?
Da qualidade científica.
– De que menos gosta na Universidade do Porto?
Do conservadorismo de alguma classe docente.
– Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?
Investir mais na investigação cientifica promovendo a carreira de investigador.
– Como prefere passar os tempos livres?
Passear com a família, ler e conviver com amigos.
– Um livro preferido?
A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón, A Casa dos Espíritos de Isabel Allende, As Intermitências da Morte de José Saramago, entre outros.
Um disco preferido?
Ao vivo no Coliseu do Zeca Afonso, que aprendi a ouvir desde pequenina.
– Um prato preferido?
Bacalhau á Lagareiro cozinhado pelo meu companheiro.
– Um filme preferido?
Qualquer um do Woody Allen, um dos mais hilariantes é “Scoop”.
– Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?
Já realizadas, Jamaica e Brasil; por realizar, Nova Zelândia.
– Qual o principal objectivo a alcançar na sua área de trabalho?
Gostaria de ver, num futuro próximo, as células pluripotentes serem utilizadas com eficácia no tratamento de doenças.
– Uma inspiração? (pessoa, livro, situação…)
Inspiram-me as pessoas que me são próximas e com as quais aprendo muito, em particular o Manuel, meu companheiro e pai da minha filha.
– Uma experiência de vida marcante?
O nascimento da minha filha, Maria Rita.