1960
0
COMPARTILHAR
Inicio Do Porto Germano Silva...

Germano Silva em Viagem ao Passado

Germano Silva em Viagem ao Passado

0
1960

GERMANO Silva começou a estudar o nome das ruas do Porto quando era estagiário e ouviu que só seria um bom repórter se conhecesse bem a cidade. Aos 82 anos, o ex-jornalista publica Viagem ao Passado, que reúne textos da sua coluna semanal no Jornal de Notícias. Entre outros, passam por aqui os Clérigos, o Majestic e a Cadeia da Relação.

Como começou a escrever a sua coluna semanal para o Jornal de Notícias?

Houve uma reformulação no jornal, em 1994, e foi-me sugerido que contasse histórias do Porto. Em 1996, quando me decidi aposentar, o director pediu-me para continuar e nunca falhei uma semana. Tentei dar a essas crónicas uma orientação pedagógica, no sentido de que as pessoas vão tratar melhor a sua rua se souberem que ela tem uma história. Foi com algum contentamento que percebi, pelas reacções, que esse objectivo foi atingido. As pessoas vêm falar comigo, abrem-me as portas e assim descubro muitas coisas: tectos em estuque, escadarias em granito, capelas interiores, oratórios…

E o que é que lhe perguntam?

As pessoas gostam de saber as suas origens. Sou procurado por muita gente, através de mensagens, de emails e na rua. Dizem-me: “Eu vivi naquela casa, o meu avô também, sabe dizer-me as origens?”. Com as contingências em que vivemos agora, de sacrifício, as pessoas estão fartas da política e querem algo diferente.

O que encontrou até agora de mais rico?

Os habitantes, as pessoas. O Porto tem uma história muito rica em termos de liberdade e liberalismo. É património da humanidade, será a capital do trabalho, mas o carácter liberal já vem de antes da Revolução de 1820, do tempo em que os mercadores negociavam com Flandres, Inglaterra e o Norte da Europa. Conviviam com doutrinas novas e aplicavam-nas; tinham lutas contra a prepotência do bispo, que era o dono da cidade. É dessa emancipação que começa a nascer o espírito liberal. Em 1820, a revolta já é natural.

Poderia publicar um número infinito de crónicas e de livros sobre o Porto?

Sim. Este já é o 15.º ou 16.º, já nem sei bem. A verdade é que temos três grandes arquivos na cidade e em qualquer um deles há um manancial. Ainda há dias encontrei uma história interessantíssima, daquelas que gosto de contar, relacionada com o Mosteiro de Monchique. Uma abadessa do século XVII fez queixa à Polícia de um barqueiro, que ia cantar madrigais às freiras, com uma viola. O barqueiro defendeu-se dizendo que já tinha cantado para a abadessa e estado na sua cela. Ele argumentava que ela teria, isso sim, ciúmes. É vulgar este tipo de episódios nas crónicas monásticas.

Esteve 40 anos ao serviço do Jornal de Notícias, como repórter. Foi assim que começou a acumular conhecimentos e todas estas histórias?

Comecei em 1956 e, quando ainda era estagiário, fui fazer a reportagem de um incêndio, que foi só fumo, na Rua de Santa Catarina. Eu não sabia, mas era a casa onde nascera e vivera o romancista histórico Arnaldo Gama. Como aquilo não tinha pano para mangas, o colega do Primeiro de Janeiro contou a história do escritor. O chefe de redacção chamou-me no dia seguinte: “O repórter é um contador de histórias. Só serás um bom repórter se conheceres bem a cidade”. Comecei por tentar saber a origem dos nomes das ruas, a partir de um velho anuário, daí chegava à citação de um autor, fui comprando livros… Hoje tenho uma bibliografia bastante completa sobre a cidade.

Chamar-lhe historiador popular é algo que lhe agrada?

Eu não sou propriamente um historiador, sou um jornalista que conta histórias. Quando comecei não havia escolas de jornalismo, os mestres eram os chefes de redacção e tive a sorte de ter grandes chefes, de grande cultura. Diziam-me que tinha de ser entendido pelo catedrático e pelo engraxador. Em segundo lugar, o leitor não pode ficar com dúvidas. Por vezes, o que me dá mais trabalho nas crónicas é confirmar os nomes e as datas, como no jornalismo se cruzam as fontes. O estilo que uso é coloquial, aproxima-me das pessoas.

Há uns anos, disse que o Porto já não tinha coluna vertical como no passado…

Em finais do século XIX, o Porto tinha uma preponderância muito grande sobre Lisboa. Claro que Lisboa fazia chacota do Porto, a caricatura era de um tipo de tamancos, com um carapuço na cabeça, ou seja, o velho comerciante e homem de negócios. O Porto dos anos 1960 também tinha uma importância cultural muito grande e nos cafés faziam-se muitas tertúlias. A cidade sempre foi inovadora e foi aqui, em 1762, que pela primeira vez se cantou ópera em Portugal. Era uma cidade de gente com dinheiro e não é por acaso que D. João I vem aqui pedir dinheiro emprestado para as guerras com Castela.

Agora o Porto está vergado?

Os interesses são outros, são dos partidos, das ideologias… Mas ainda temos essa característica, revelada quando o Coliseu esteve para ser vendido à IURD, em 1995.

E a vitória de Rui Moreira nas últimas autárquicas, também foi um sinal disso?

Acho que sim. Não acompanhei muito a campanha, mas julgo que venceu por ser um homem independente, até economicamente, que conhece a cidade. O Porto já deu várias lições de lucidez ao país, como quando Fernando Gomes tentou regressar à presidência Câmara e não ganhou.

Daqui a 100 anos, quando se fizer a história da primeira década do século XXI no Porto, Rui Rio vai ser visto como um herói?

Ainda não pensei nisso [risos], mas estou certo de que o foco vai incidir sobre este boom turístico. Já acontecera na Idade Média, com os peregrinos a caminho de Santiago de Compostela. Hoje assistimos ao nascimento de hotéis, na Idade Média eram albergarias. A Torre dos Clérigos é agora um centro de atracção turística: o Padre Américo Aguiar, presidente da Irmandade dos Clérigos, é um jovem com uma visão mais ampla e moderna, que abriu a Torre e a Igreja aos turistas e tem feito avançar uma grande requalificação. Na comemoração dos 250 anos, queria 250 mil visitantes, mas já vamos em 370 mil.

Por João Pedro Barros publicado in SOL

Partilha

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here