COMPARTILHAR

Porto

Porto

0
216

1.

Nenhuma outra cidade
se oferece assim a quem chega
como uma cadela permanen-
temente com cio

Por Jorge Sousa Braga, in Porto de abrigo, Assírio & Alvim, página 12.

2.

Ó meu severo berço de granito!

António de Sousa, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 41.

3.

Porto
– cidade de luz de granito.

Tristeza de luz viril
com punhos de grito.

José Gomes Ferreira, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 43.

4.

A cidade equestre
No rio mergulha
Seus cascos de granito
E sobe
A galope
Encosta arriba.

Por Luís Veiga Leitão, in A bicicleta e outros poemas, Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, página 35.

5.

Imensa, troglodita, ambiciosa,
vai a cidade até à praia.

Por Jorge de Sena, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 45.

6.

Era um burgo pobre, sujo, reles até – mas gostaria
tanto de lhe pôr um diadema na cabeça.

Por Eugénio de Andrade,  in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 46.

7.

Sucede isto no Porto,
uma cidade onde os destinos pesam muito
e as quimeras de bronze só mitigam
a sede secular de eternas pombas.

Por António Rebordão Navarro, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 101.

8.

Deviam chamar Pedro, em vez de Porto,
Ao burgo, se é tal qual do meu tamanho!

Por Pedro Homem de Mello, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 129.

9.

Do Porto, leal cidade,
Brutal e triste

Por José Régio, in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Torgal Ferreira, Publicações Dom Quixote, 2001, página 174.

10.

Cidade
à beira d’água,
o Porto.

Por João Manuel Ribeiro in Burburinhos, Busílis, maio 2015, página 29.

11.

Esta cidade não é uma cida-
de é um vício

Por Jorge Sousa Braga, in O poeta nu [poesia reunida], Porto de abrigo, Assírio & Alvim, 2.ª edição, abril de 2014, página 261.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here