COMPARTILHAR
Inicio Dicioporto O canto do me...

O canto do melro

O canto do melro

0
877

1.
Na alva plena
adivinha o melro
a felicidade da luz[1]

2.
Tem o timbre do ouro
o canto
do melro

3.
O canto do melro
é seiva melodiosa
que sangra das árvores

4.
Do alto do choupo
toca fundo
no nosso coração

5.
Há sementes
que rebentam
no canto do melro

6.
Em dias límpidos
ouve-se até perder de vista[2]
o canto do melro

7.
A vizinha do melro
deixa a janela entreaberta
para não cantar sozinha

8.
Em que língua canta o melro
que o nosso coração
entende tudo?

9.
No inverno
canta o melro
na nossa lembrança

10.
Oh melro! sem vos ouvir
se vivo mais um dia
viver não queria[3]

11.
O silêncio do melro
desperta em nós
a inquietação

12.
No exterior do templo
o melro responde
ao pregador

13.
O melro
traz melancolia
para a cidade

14.
O melro não guarda
segredo
da sua alegria

15.
Por momentos
a rapariga imagina
que chamam por si

16.
Tirado ao ninho
vive agora numa floresta de arames
onde amadurece o bico
em longos dias de isolamento

O canto pungente do melro
não comove o dono
fascinado que está com a sua posse

17.
Há de chegar o dia
que o homem ficará cativo
do canto do melro

18.
O desgosto do tordo
é não ter bico amarelo
como o melro

19.
O melro não voa
ele navega
nas ondas do dia

20.
Rabiscos a carvão
inundam a tela
do dia

21.
Fugaz
a sombra do melro
sobre a relva

22.
É para ti o anel de fogo
que dança na penumbra
do bosque

23.
Faz cócegas
só de ver o melro
a saltitar na relva

24.
No Campo da Vinha
nem o toque do sino
o silencia

O POETA

25.
As metáforas não redimem
o poeta que prende
o canto do melro

26.
Na primavera
o poeta acerta o relógio
pelo canto do melro

27.
Despertar
ao som do canto do melro
é o sonho do poeta

28.
De tanto ouvir o melro
o poeta um dia
voará

29.
A poetisa
bebe aos goles
o canto do melro.[4]

30.
Só a poesia
dá o som lírico
ao canto do melro[5]

PROVÉRBIOS DO MELRO

31.
A melro cativo, dono altivo.

32.
Melro branco não desiste de cantar[6]

33.
Liberdade ao melro que lhe seca o canto.

34.
Quando cantam os melros, calam-se os ais.

35.
Na luta entre melros quem ganha é o gato.

PML

[1] Verso de António Osório.

[2] Parte de um verso de Mario Quintana

[3] Adaptação de lírica popular espanhola.

[4] Inspirado no poema O canto da chávena de chã de Fiama Hasse Pais Brandão

[5] Adaptação de poema de Fiama

[6] Glosa do aforismo de António Osório: O pato mudo não desiste de nadar.

[7] Adaptação de lírica popular espanhola.

[1] Verso de António Osório.

[2] Parte de um verso de Mario Quintana

[3] Adaptação de lírica popular espanhola.

[4] Inspirado no poema O canto da chávena de chã de Fiama Hasse Pais Brandão

[5] Adaptação de poema de Fiama

[6] Glosa do aforismo de António Osório: O pato mudo não desiste de nadar.

PML

Partilha

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here