151
2
COMPARTILHAR

Nihonbashi

Nihonbashi

2
151

PRIMEIRAMENTE, uma explicação a respeito da grafia do título: ainda que se aceite também “Nihombashi”, os japoneses tendem a escrever com um “n” antes do “b”; contrariando, portanto, as normas da Língua Portuguesa. Quanto ao significado da palavra, esta é originada através de um processo de aglutinação entre os vocábulos “Nihon” (que significa “Japão”) e “hashi” (cujo significado é “ponte” e que se torna “bashi” quando realizada a junção). Ou seja: a “Ponte do Japão”. E, de fato, não poderia haver uma expressão mais apropriada para denominar essa construção que, localizada no centro de Tóquio, é uma das grandes atrações turísticas do país.

E agora vamos ao seu histórico: a ponte, que liga as duas margens do rio com o mesmo nome, foi erguida, pela primeira vez, no século XVII ― sendo que a atual versão data de 1911. Com o tempo, deu origem ao bairro de Nihonbashi, que se tornou um importante ponto comercial do Japão. Tanto que foi lá que surgiu a primeira loja de departamentos de Tóquio: a Mitsukoshi; que mantém até hoje a prosperidade do bairro.

No entanto, nem sempre houve bons ventos para Nihonbashi. Durante a Segunda Guerra, por exemplo, o bairro sofreu um pesado bombardeio aéreo durante dois dias: marcas de um massacre que se encontram até hoje nos prédios mais antigos, como uma forma de reverenciar a capacidade de resistência do povo japonês.

Penso até que foi exatamente esse sofrimento que fez com que Nihonbashi, renascendo das cinzas, tivesse ainda mais vigor; tornando-se, pois, um ponto obrigatório de visita a quem deseja testemunhar essa força que, diariamente, move o povo japonês rumo ao progresso. Uma força que, aliás, inspira também a muitos estrangeiros que, como eu, trabalham próximo à localidade.

Mas, para além dessa energia inspiradora, Nihonbashi também me atrai pelos muitos restaurantes internacionais existentes. Assim, posso almoçar em um restaurante francês ou italiano e jantar apreciando a culinária japonesa ou chinesa. Fazendo, desse modo, em um mesmo dia e sem pagar caro, uma linda integração entre o Ocidente e o Oriente.

Uma integração que começa a caracterizar não somente Nihonbashi, mas também a criar um “novo Japão”. E, sendo um dos muitos estrangeiros aqui residentes, confesso que me alegra testemunhar, diariamente, que a ponte de Nihonbashi ― a “Ponte do Japão” ― vem simbolizando, cada vez mais, a comunhão entre povos e culturas diferentes. É a Terra do Sol Nascente dizendo ao mundo e, claro, aos próprios japoneses: “Venham: dispam-se de toda forma de preconceito e atravessem a ponte para saber o que há na outra margem ― sem medo de conhecer novos mundos que, juntos… ah, fazem a vida tão mais interessante!

SOBRE O AUTOR: EDWEINE LOUREIRO nasceu em Manaus (Amazonas-Brasil) em 20 de setembro de 1975. É advogado e professor de idiomas, residindo no Japão desde 2001. Premiado em concursos literários no Brasil e em Portugal, é autor dos livros “Sonhador Sim Senhor!” (2000), “Clandestinos” (2011), “Em Curto Espaço” (2012), “No mínimo, o Infinito” (2013) e “Filho da Floresta (2015), os dois últimos vencedores, respectivamente, dos Prêmios Orígenes Lessa e Vicente de Carvalho da União Brasileira de Escritores – RJ (UBE-RJ), em 2016. E, em setembro de 2017, seu livro, ainda inédito, “Crônicas de um Japão Caboclo” obteve, também pela UBE-RJ, o Prêmio Alejandro Cabassa. Foi também um dos autores premiados no Concurso de Poesia Agostinho Gomes, em Portugal, em 2017. Página para contato: https://www.facebook.com/edweine.loureiro

2 COMENTÁRIOS

  1. Achei super interessante este artigo. Aos poucos vamos conhecendo através dos escritos, a vida e a cultura japonesa.
    Obrigada por compartilhar.
    Maura Soares, de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

  2. Obrigado, Maura, por essas palavras. Fico feliz! Saudações cordiais do Japão. Edweine Loureiro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here