Rua da Estrada do Palácio do Dubai

/ 922 leituras
NAS colinas de Tiburtino, desde a Villa de Adriano à Villa d...

Rua da Estrada das Aeronaves

/ 1018 leituras
Nem pensar em pôr skates nas auto-estradas, camiões nas avenidas, peões no asfalto, ou asfalto na sopa.

Rua da Estrada do túnel do espaço-tempo

/ 789 leituras
Texto e foto de Álvaro Domingues

Café Canastro

/ 946 leituras
OS CANASTROS são estas casas esguias e arejadas onde se guar...

Rua da Estrada filosófica

/ 890 leituras
VAI há muito tempo, o elo perdido entre a natureza e a cultu...

Rua da estrada do fim do mundo

/ 735 leituras
NO limite entre o fim do mundo e o resto existe apenas um mu...

Rua da estrada da piscina seca

/ 983 leituras
AINDA que pouco espaçosa, uma piscina é obra para aplicar al...

Rua da Estrada Jolly Splash

/ 869 leituras
STANDO na Rua da Estrada Adriática, algures entre Pescara e ...

Rua da Estrada do cão que sonha (não dorme)

/ 826 leituras
QUE paz e que abandono se estenderam aqui no muro ao fundo d...

Rua da Estrada da ficção real

/ 936 leituras
OS modelos têm muitas vezes um conteúdo ficcional. Essas fic...

Rua da Estrada do Natal (1)

/ 1181 leituras
A verdadeira invenção da Árvore da Borracha do Natal pintada de verde encimada com uma estrela, tal como a Rua da Estrada, deve-se a outro americano célebre, Henry Ford

Rua da Estrada do Brasil

/ 987 leituras
A RUA da Estrada do Brasil é hiper-realista. Aquilo que nout...

Rua da Estrada do Órgão de Tubos

/ 961 leituras
FOLEIRO era o homem que accionava os foles para que o ar soa...

Edifício-montra

/ 870 leituras
A LUZ e a transparência são extraordinárias artilharias de p...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O seu (José Vieira de Carvalho) maior orgulho era a Maia. A Maia que ele sonhou, que ele conquistou, e que irrompeu das suas fronteiras em direcção ao cume dos Municípios. Viveu pela Maia e pela Maia morreu. 

Rua da Estrada de Arbo

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 750 leituras
Chegaremos aos quatrocentos?