O cesto de basquetebol

/ 374 leituras
Um dia, na ginástica, eu ia-me pendurar no cesto de basquetebol, pulei e bati com o rabo no chão mas já percebi que prefiro os cestos da roupa. Por Gil Arruda, aluno n.º 10, do 5.º B,...

“Suenos de la mujer-pájaro” por Antonia Mayol Castelló

/ 572 leituras
(Metamorfosis inconclusa) El viento en su pelo, acaricia, golpea y adormece. En el vuelo errante fluye, se eleva, se disuelve, añoranza de calma de brisa de estrella. Su cuerpo se ...

A minha prima

/ 406 leituras
Ontem fui a casa da minha prima Micaela, tem seis anos armou-se em Capuchinho Vermelho e quis correr até casa da avozinha. Caiu. Ajudei-a: gosto de contos de fados. Por Por Sabrina ...

Provérbio

/ 603 leituras
Quem deita com a palavra semeia o silêncio. Por Josafá de Orós, que vive em Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Exposição – Histórias em Postais no Duas de Letra

/ 1131 leituras
De 3 a 29 de abril de 2017, de segunda a quinta das 10h às 22h, sexta e sábado das 10 às 24h, domingo das 14 às 24h, no restaurante/cafetaria/galeria de arte Duas de Letra, sito no Passeio d...

“Título” por Clemente Padin

/ 498 leituras
Trama: un crimen misterioso. Víctima: un un cuento breve. Detetctive: el lector. Como al autor le falla la imaginación para desarrollar la trama autorreferencial es muy probable qu...

O telemóvel

/ 376 leituras
Estava a jogar, o telemóvel caiu no chão: não foi sozinho. Acompanhei-o porque a cadeira partiu. Infelizmente, o telemóvel também. Por Afonso Resendes, aluno n.º 1, do 5.º B, EBS de...

O pedido de Natal por Regina Ruth Rincon Caires

/ 402 leituras
No correio, a menina aguardava. Na vez, deu a carta ao atendente. Era para o Papai Noel. - O prazo já acabou. Desapontada, olhou para a mãe. Saíram caladas. Na escada, um senhor falou: ...

A minha voz (II)

/ 601 leituras
A minha voz Inda é silêncio Amorfa ideia, um susto. De palavra sem forma Letra vazia que adorna Um soluço molhado Carimbando as entranhas. Por Josafá de Orós, que vive em Campina ...

A costureira por Regina Ruth Rincon Caires

/ 398 leituras
Era costureira sem máquina. Cerzia as feridas, aparava as farpas dos desalinhos, remendava as fendas deixadas pelos desajustes, enesgava cortina para o medo, alinhavava sonhos, plissava as d...

Vitrine iluminada

/ 366 leituras
As luzes coloridas refletiam nos olhinhos inocentes. Estava fascinada. As mãozinhas, coladas na vitrine iluminada pela decoração de Natal, suavam de tanta excitação! Olhava tudo, imagin...

Minha vó

/ 597 leituras
Vovó, além de vaidosa, era excelente cozinheira. Vestia-se elegantemente, mesmo quando ficava em casa ou no sítio. A família era fonte de opinião, para ela avaliar se estava bem vestida ...

Origens

/ 380 leituras
Meu avô mudou-se de Portugal para o Brasil durante a 1.ª Guerra. Anos depois, muito depois, visitei Lisboa, Braga, Porto. Mas não visitei Leiria, sua terra natal. Volta às minhas ori...

O chupa gigante

/ 463 leituras
A Joana encontrou um chupa gigante e levou-o para casa. Comeu-o ao jantar e ficou cheia de dores de barriga: mais valia ter comido a sopa! Por Lena André, aluna n.º 13, do 5.º C, EBS ...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Moreira (1956)

Se houver cuidado e proteção está-se a contribuir para uma concorrência leal. Os bons empresários estão interessados neste acordo porque a concorrência mais desleal é aquela que descuida a segurança e a proteção dos trabalhadores.

Rua da Estrada de Atenas

ANDAVAM os antepassados da Angela Merkel nas cavernas por entre ursos e outras barbaridades, quando Péricles edificava Atenas antes das guerras do Peloponeso.  Era assim o mundo, aos encontrões, como sempre. Depois de edificar a Acrópole verificou-se que custava muito lá subir e muito ventosa. De íngreme que era e de caminhos mal empedrados, as quadrigas patinavam e viravam-se de rodas e pernas para cima. Então, depois de muitos séculos prodigiosos, conseguiu-se finalmente domesticar os cavalos de uma maneira diferente de modo a que coubessem às dezenas e às centenas nos motores dos automóv...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 829 leituras
Quando há problema, mais difícil é resolver o prob ou o lema?