Triângulo amoroso

/ 960 leituras
É um triângulo amoroso perfeito, tudo bem camuflado "ELE"; "ELA" e o "OUTRO". O "OUTRO" nem desconfiava, pois na 2.ª, 4.ª e 6.ª feira namorava "ELA; nas 3.ªs, 5.ªs e domingos namorava...

Piracema

/ 784 leituras
Ao ver peixes saltando, para atingir a parte de cima do salto rio, me inspirou uma pergunta: - Para onde vai nobre Salmão? Ele sem desviar o foco de tentar subir a corredeira me respond...

Novos percursos

/ 774 leituras
Novos percursos Caminhos de recursos Para refugiada vida Em terra recebida De gente sabida E no ser tão sentida Que ao partilhar cede Sua amizade que não mede Nada mais que calorosa ...

Mundo enfadonho

/ 785 leituras
Vejo em um mundo enfadonho O pensamento fluindo: A realidade é um sonho Do qual se acorda dormindo. Por João Paulo Hergesel, que vive em São Paulo, Brasil.

O agricultor

/ 676 leituras
Com as mãos o agricultor Planta os sonhos de criança Para formar um doutor: Seu filho (sua esperança). Por João Paulo Hergesel, que vive em São Paulo, Brasil.

A infância

/ 839 leituras
a infância se foi, mas o aroma dos caquis ficou em Lisboa Por João Paulo Hergesel, que vive em São Paulo.

Os lírios

/ 719 leituras
os lírios tão doces... e se as pétalas não fossem de açúcar cristal? Por João Paulo Hergesel, que vive em São Paulo, Brasil

Redemoinho

/ 785 leituras
acorda, Diolinda, probatente sem pente nem dente não tem galo na madrugada de Joaquim Serafim? será o quê? será Lindinalva da vida salva Maximiliano dos grãos à meia ou Dalva do so...

Inventário

/ 798 leituras
Quatro gatos - logo será um Cachorro. Três peixes - foram mais de dezena. No telhado: pombos e pardais. Andorinhas nos fios. Zé do Passarinho e todas as gaiolas. À noite, guinchos de morce...

Menino-bicho

/ 795 leituras
Ah, menino sério! Ah, menino moleque! Ah, homem de tantas idas e vindas! Menino-garnisé, avesso ao carinho, mas pronto no afeto. Menino-morcego, ferido no seu brinquedo favorito: voar. ...

(R)existir

/ 819 leituras
Formiga trabalha, mas não tem utopia: bicho pensante sonha! - ele gritou no meu ouvido. fechou minha garganta, molhou minha retina. Bicho diferente que sou, encolhi à sombra. Pensei em...

Ouvi um grito lá fora

/ 719 leituras
Ouvi um grito lá fora. Acho que foi meu coração. Corro. Me engano. Acho que passou por mim correndo. E a mão e a faca e o grito. Que era puro sangue e que pingava. Dezassete anos corre...

A minha voz (II)

/ 669 leituras
A minha voz Inda é silêncio Amorfa ideia, um susto. De palavra sem forma Letra vazia que adorna Um soluço molhado Carimbando as entranhas. Por Josafá de Orós, que vive em Campina ...

O hai kai

/ 757 leituras
Quando o hai kai O trovão senta a pua E o poeta sai às ruas. Por Josafá de Orós, que vive em Campina Grande, Paraíba, Brasil.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Manuel Pizarro (1964)

TEMOS uma posição na fachada atlântica altamente privilegiada para nos podermos afirmar como dos grandes players europeus do sector das pescas. Mas não basta. Temos de trabalhar em medidas e instrumentos que tornem esta atividade mais atrativa.

Maxilar deslocado

Desde que os humanos investem nas suas cabanas e abrigos pouco primitivos, têm vindo a aumentar e a diversificar-se o número de próteses domésticas que tornam os espaços habitáveis, confortáveis e usáveis para os mais diversos e inesperados fins.

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 1027 leituras
Antes de haver telemóvel, como é que as pessoas incomunicavam?