Luís Delgado, 59 anos

/ 561 leituras
TALVEZ por lidar diariamente com doenças, Luís Delgado faz por “viver cada dia como único…”. Seja ao sabor de salmonetes grelhados (de preferência cozinhados “sem pressas” pelo próprio), num...

Daniel Sá, 35 anos

/ 981 leituras
DANIEL Sá, 35 anos, é o director do IPAM do Porto e de Aveiro, onde é responsável por mais de 70 professores e 1 100 estudantes. Não foi na escola que aprendeu a liderar e a ter espírito de ...

António Vicente Cunha (1937)

/ 737 leituras
ANTÓNIO Vicente Cunha nasceu em Matosinhos a 14 de Fevereiro, mas foi registado a 28 de Maio de 1937. “Antigamente os nascimentos tinham que ser oficializados logo após o parto, caso os pais...

Dar sentido ao tempo de António Cadete Leite

/ 1153 leituras
LANÇAMENTO do livro de António Cadete Leite Dar Sentido ao Tempo - da Maianga ao Bonfim cumprido (Setembro 21, 18h30, AJHLP) e comprido: conversa e convívio de horas, sala cheia da Associaçã...

“Olhos tropeçando em nuvens e outras coisas” de João Pedro Mésseder

/ 518 leituras
HÁ olhos que quase só deslizam no telemóvel; e olhos que tropeçam em nuvens, em bolas, em pessoas, em patas de aranha, eu sei lá em quê. Às vezes, esses olhos tropeçantes querem que as mãos ...

A Sr.ª Quitéria

/ 224 leituras
A Sr.ª Quitéria vivia numa das ilhas, mas sempre a conheci na esquina do Paraíso com Camões, enrolada no cobertor cinzento-escuro que lhe protegia um ombro e a panela das castanhas, um pouco...

Bernardo Silva, 32 anos

/ 556 leituras
DE ASCENDÊNCIA carioca, mas com um coração bem português, Bernardo Silva fez todo o seu percurso académico na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), onde desde cedo se come...

Paulo Brito, 23 anos

/ 610 leituras
PASSARAM-SE mais de cinco anos desde que Paulo Brito, 23 anos, seguiu para Espanha: terá saído em finais de Agosto e regressado em meados de Novembro de 2008, um período durante o qual diz t...

Ponte Dom Luis ou Luiz I?

/ 798 leituras
A 31 de Outubro de 1886 foi inaugurado oficialmente o tabuleiro superior da Ponte Luiz I, conhecida entre os portuenses como Ponte D. Luis. O tabuleiro inferior apenas foi inaugurado em 1887...

Graça Martins – do outro lado da pintura

/ 501 leituras
O CONCEITO da exposição DO OUTRO LADO DA PINTURA revela o que sempre existiu em paralelo com o acto de pintar: a motivação originada pela fotografia dos modelos/amigos das artistas plásticas...

À memória de João Correia

/ 972 leituras
JOÃO Correia foi um fadista do Porto. Um dos melhores, dizia-se, a dar voz à tradição numa cidade que, com mais solenidade ou vadiagem, ainda pede meças no fado. Mas João Correia não foi ape...

Benjamin, 26 anos

/ 434 leituras
BENJAMIN e Selam chegaram a Portugal há três meses e foram acolhidos pela Santa Casa da Misericórdia de Penafiel. Dizem-se felizes e entusiasmados com o começo de uma vida nova. Em Portug...

Manuel da Silva Rei (1950)

/ 617 leituras
MANUEL da Silva Rei nasceu em Barcelos em 1950, mas ainda menino veio viver para uma família adoptiva da Póvoa de Varzim. Fez a escola primária na Poça da Barca e herdou a arte de funileiro ...

História breve de Rui Costa (1972-2012)

/ 4074 leituras
UI Costa desapareceu deste mundo quando os seus últimos versos vieram ao mundo. Vida e morte não marcaram hora nem lugar, mas encontraram-se a 5 de janeiro. Ao mesmo tempo que família e amig...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Eduardo Vítor Rodrigues (1971)

NÃO vamos licenciar novas construções. Vamos legalizar casas e empresas com histórico. São empresas consolidadas no território e também é uma forma de evitar que, por falta de uma licença, possam decidir abandonar Gaia e estabelecer-se em concelhos vizinhos, retirando de cá postos de trabalho.

Rua da Estrada do Futuro

ADIVINHAR o futuro ainda é para muitos uma espécie de bruxedo do antigamente. Consultava-se o mediador comunicante com o insondável para que ele nos antecipasse os nossos medos e esperanças; jogavam-se os dados e as cartas, observava-se o voo das aves, ouvia-se a voz da vidente, do oráculo, da sacerdotisa ou do feiticeiro em busca de interpretações, de enigmas premonitórios que sugeriam isto ou aquilo. O futuro é um tempo problemático. Cronos, o deus grego, tanto era entendido como uma divindade do tempo cíclico das colheitas – por isso era representado com uma gadanha que depois passou a s...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 509 leituras
Bater no ceguinho dá cadeia?