Mão(s)

/ 563 leituras
Que instrumento toca E não se ouve? A mão Por Nuno Rocha...

Música

/ 433 leituras
Água que canta; apetece acompanhá-la.   Por João ...

Morte

/ 690 leituras
9. Sete palmos. A medida padrão para enterrar a morte. F...

Mosquito

/ 484 leituras
Aprendiz na arte de espadachim.   Por Francisco D...

Montes

/ 438 leituras
1. Montes - quadris e ombros da Terra com pêlos e pele...

Mariposa

/ 447 leituras
Farrapo de brisa por vezes policromo.   Por Jo...

Miragem

/ 361 leituras
Disfarce da água.   Por João Pedro Mésseder e Fra...

Morcego

/ 418 leituras
Espécie rara de rato voador. A coruja, espécie incomum...

Montanha(s)

/ 479 leituras
As montanhas apaixonam-se com frequência. Vestem-se de branc...

Mãe

/ 437 leituras
Primeira palavra a ordenar o mundo Por isso mar lhe chamam...

Melro

/ 694 leituras
Monge solitário

M

/ 277 leituras
O M era pródigo naquelas falinhas mansas atrás da quais se e...

Militar

/ 452 leituras
Mil vezes combater por causa nobre.   Por João...

Mil-folhas

/ 474 leituras
O mais doce dos dicionários.   Por João Pedro Més...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O seu (José Vieira de Carvalho) maior orgulho era a Maia. A Maia que ele sonhou, que ele conquistou, e que irrompeu das suas fronteiras em direcção ao cume dos Municípios. Viveu pela Maia e pela Maia morreu. 

Rua da Estrada de Arbo

Texto e foto de Álvaro Domingues

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 1529 leituras
A quantos decibéis pulsa um coração apaixonado?