L

/ 41 leituras
O L assentava em si mesmo como uma luva. Tinha assento em todas as reuniões de letra grande e, se minusculava, logo estreitava laços com quem o precedia ou seguia. Campeão da flexibilidade, ...

Liberdade

/ 249 leituras
(Palavra de arestas tão gastas) Por Nuno Rocha Morais in Galeria, Edições Simplesmente, abril 2016, página 54. 1. águas aprisionadas tempos contados e matemáticas reduções Por Jo...

Lua cheia

/ 300 leituras
1. A Lua,               encantada, dá à luz               a noite. Por César Augusto Romão, in Tanto ar, Propagare, 2009, página 27. 2. Lua cheia: com esta moeda de oiro posso...

Lisboa

/ 343 leituras
1. …esta névoa onde começa a luz de Lisboa, rosa e limão sobre o Tejo, esta luz de água, … Por Eugénio de Andrade, Antologia breve, Editora Limiar, página 72. 2. O que sei da pa...

Luz

/ 342 leituras
1. e uma luz de neve quebrada de vidraça em vidraça. Por Eugénio de Andrade,  in Ao Porto, Colectânea de Poesia sobre o Porto, organização de Adosinda Providência Torgal e Madalena Tor...

Livro

/ 368 leituras
1. É isto um livro esta espécie de coração (o nosso coração) dizendo "eu" entre nós e nós?   Por Manuel António Pina, in Como se desenha uma casa, Assírio & Alvim, 20...

Lagartixa

/ 247 leituras
Sacerdotisa da seita de sangue frio. Adora o sol.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 35.

Leão

/ 242 leituras
Só leão de juba atinge o estatuto de jubilado.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 35.

Lesma

/ 220 leituras
Caracol sem abrigo.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 36.

Lince

/ 213 leituras
1. Quando penso em ti só me lembro dos teus olhos.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 36. ...

Lobisomem

/ 256 leituras
Lobo: acaba de comer o h a este omem.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 37.

Louva-a-deus

/ 211 leituras
Tímido insecto este devoto da Natureza.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 38.

Lágrima

/ 246 leituras
1. Breve é o mar na vida da lágrima que na terra tomba.   Por César Augusto Romão, in Tanto ar, Propagare, 2009, página 42.   2. No rosto, aparente...

Lua nova

/ 258 leituras
A Lua,                iluminada, volta                   a dar nas vistas.   Por César Augusto Romão, in Tanto ar, Propagare, 2009, página 29.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

Ich weiss nicht, was sie sagen" ("Não sei do que falam").

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 611 leituras
O telemóvel é um meio de incomunicação?